March 12, 2008

Por que tenho que lutar pelo "meu" câncer???

Detesto ter que chamar este "treco" de meu, mas de que outra maneira posso identificar este problema que tive? Sei que O Segredo diz que nunca devemos dizer coisas tipo "a minha doença", "o meu câncer" para que esta "coisa ruim" não fique associada a nós, mas como então chamar atenção para uma questão que parece muito distante para a maioria das pessoas, a menos que elas identifiquem que foi o tal câncer que me afetou?

Querendo ou não querendo, tive câncer de fígado. Isto é fato, nunca foi escolha. E escolha é e sempre foi enfrentar o problema de frente e lutar contra ele. Em primeiro lugar, precisei conhecer o inimigo muito bem, o que fiz sem problema, mas agora preciso reunir aliados na minha luta. Preciso que as pessoas se conscientizem que esta doença existe e que, assim como outros tipos de câncer, precisa ser erradicada.

Para começo de conversa não devemos confundir o câncer primário com o câncer secundário de fígado. Deixa eu explicar melhor: tive câncer primário de fígado, o que quer dizer que ele teve início nas minhas células hepáticas e não chegou até o fígado como resultado de metástese, como é mais comum. No meu caso, graças a Deus, o câncer ficou restrito ao meu fígado e pôde ser ressecado (ou removido através de cirurgia).

Apesar de ser a quinta forma mais comum de câncer no mundo, pouco se escuta falar nele. De acordo com dados do Cancer Blog, o câncer de fígado afeta 700.000 pessoas no mundo, com 18.000 casos registrados nos EUA em 2006 e mais de 19.000 estimados em 2007. A incidência de casos nos EUA dobrou na última década e mais de 16.000 pessoas devem morrer vítimas da doença só este ano. Achou pouco? O mais assustador é saber que ele é capaz de matar quase todos os pacientes em menos de um ano e mesmo assim ninguém fala nele.

Querem um exemplo: A American Cancer Society (ACS) vende luminárias que têm as cores de todos, ou melhor, quase todos os tipos de câncer. Quem não sabe que o lacinho rosa indica câncer de mama? Só por curiosidade, a tabela das cores da ACS é a seguinte:
  • câncer do cérebro: cinza
  • câncer de mama: rosa
  • câncer infantil: dourado
  • câncer de intestino: azul royal
  • câncer em geral: lavanda
  • lecemia: laranja
  • câncer de pulmão: pérola/branco
  • linfoma: vermelho
  • melanoma: preto
  • mieloma múltiplo: vinho
  • câncer de ovário: turqueza
  • câncer do pâncreas: roxo
  • câncer de próstrata: azul claro
  • câncer de testículo: orquídea (uma mistura de rosa e lilás)
Pois é, nem sei que cor é essa orquídea, mas o pessoal do câncer de testículo tem a sua cor, ao passo que o pessoal do fígado tem que se contentar com o lavanda, que é a cor do "câncer geral". Como assim "câncer geral"? Se todo mundo pode dar nome aos bois, por que logo eu tenho que ficar no limbo? Tudo bem que eu adoro lavanda, mas será que depois de duas cirurgias, quimioterapia, zilhões de exames e dias e mais dias no hospital não tenho direito à minha própria corzinha? É pedir muito? Será que é por eles acharem que não sobra ninguém para contar a história que eles nem se animam a designar um cor específica para os pacientes de câncer do fígado? E eu não conto?

Acho que vou lançar uma campanha: "Câncer do fígado também é câncer!" Confesso que de vez em quando até bate uma inveja quando vejo coisas rosinhas para vender. Aqui nos EUA então em outubro, mês do câncer de mama, só se fala nisso. Todos os supermercados têm prateleiras inteiras cheias de produtos em embalagens especiais e campanhas de arrecadação de fundos para a pesquisa sobre o câncer de mama. Sorte deles que têm zilhões de grupos de apoio, camisetas fofinhas, celebridades gravando comerciais, campanhas publicitárias cool...e ainda usam o rosa, minha cor favorita!!!

Mas para variar, eu não podia fazer parte da maioria fofinha. Tinha que ter um treco que só dá em homem velho, pobre de país de Terceiro Mundo. Ainda por cima é ligado à cirrose e hepatite C, ou seja, o povo ignorante vai logo pensando que a doença é castigo para pinguço promíscuo. Vai dormir com um barulho destes! E depois ainda dizem que há tabu envolvendo os cânceres de mama e de intestino!

Outro dia passou pela minha cabeça, cada vez mais louca, uma idéia no mínimo mórbida: o câncer de fígado precisa de um(a) garoto(a)-propaganda. Precisamos de uma celebridade, de preferência bonita, simpática e de aparência saudável, para militar pela nossa causa. Vocês não sabem a diferença que isto faria.

Falo muito sério. Como a incidência da doença é maior na Ásia e na África e representa somente 5% dos casos nos EUA e na Europa, quase não há pesquisas em andamento, se compararmos com os outros tipos de câncer mais célebres, como mama ou pele.

A tal celebridade seria uma forma de mostrar à opinião pública que este câncer perigoso está aí e precisa ser eliminado! Este câncer, que é um dos mais silenciosos e mortais, não pode escapar assim incólume. Obviamante a tal celebridade teria que sair viva da batalha, caso contrário não teria graça, pois o que nos falta são os tais sobreviventes! Talvez se tivéssemos mais sobreviventes, nossas vozes seriam mais fortes e quem sabe nossa causa ganharia mais visibilidade...

Mas não vou ficar aqui rezando para que uma pessoa bonita, saudável e carismática venha a ter uma doença tão horrível. Não desejaria isto ao meu pior inimigo. Muito pelo contrário, meu maior sonho é que NINGUÉM, nem mesmo o mais promíscuo dos pinguços, tenha que passar isso. É por isso que preciso gritar bem alto e sensibilizar mais pessoas para que mais seja feito para combater esta doença. A American Cancer Society que me aguarde...

3 comments:

Cristina said...

Voto em que vc se torne uma escritora famosa, entrevistada pela Oprah, pelo Jô, afinal é mais fácil transformá-la em celebridade alguém que é linda, jovem e competente pq vc já venceu e 2 vezes!!! (sim, eu sou aquela amiga que prefere comentar os posts pq não é de telefonar :-)

Anonymous said...

Gostei muito de seus comentários.Fui operado de um câncer de intestino com metástase no fígado e não sei muito bem o que esperar no futuro do meu fígado.Você conseguiu traduzir tão bem que as vezes dá até vergonha de dizer que tipo de cancer tenho.

Dani said...

Querido Anônimo,
Torço para que a sua cirurgia tenha corrido bem e que seu fígado se recupere bem rápido. Que bom saber que não sou a única a me sentir assim. Muita saúde para você, vida longa e obrigada pela visita!
Bjs