December 30, 2009

Feliz Ano Novo!


Recebi a mensagem de uma amiga, a Lu Fraga, e achei que tinha tudo a ver comigo e com esta época do ano. Não sei se é de autoria dela ou se ela recebeu de outro amigo, mas o que vale é o desejo tanto dela quanto o meu de que 2010 venha cheio de coisas novas, de aventuras, de novos desafios, de descobertas, de vitórias, de amigos antigos e novos e também desconhecidos.

Que em 2010 possamos ser nós mesmos em versão melhorada. Que tenhamos coragem e audácia para mudar o que for preciso e paciência para aguentar o que não pode ser modificado. Que respiremos mais e reclamemos menos. Que amemos mais e nos aborreçamos menos. Que sejamos mais nós mesmos e menos o que os outros esperam de nós. Que sejamos acima de tudo felizes e saudáveis em 2010!

Amanhã estaremos no último dia do ano de 2009 e, depois da meia-noite, virá o Ano Novo.
O engraçado é que - teoricamente - continua tudo igual...
Ainda seremos os mesmos. Ainda teremos os mesmos amigos.
Alguns o mesmo emprego. Alguns o mesmo parceiro (a).
As mesmas dívidas (emocionais e/ou financeiras).
Ainda seremos fruto das escolhas que fizemos durante a vida.
Ainda seremos as mesmas pessoas que fomos este ano...
A diferença, a sutil diferença, é que, quando o relógio nos avisar que é meia-noite, que é dia 01 de janeiro de 2010, teremos um ano inteirinho pela frente!

Um ano novinho em folha! Como uma página de papel em branco, esperando pelo que iremos escrever.
Um ano para começarmos o que ainda não tivemos força de vontade, coragem ou fé...
Um ano para perdoarmos um erro, um ano para sermos perdoados dos nossos...
365 dias para fazermos aquilo que quisermos... Ou para deixarmos que façam o que quiserem conosco...

Sempre há uma escolha... E, exatamente por isso, desejo que os meus amigos façam as melhores escolhas que puderem.
Desejo que sorriam o máximo que puderem... Cantem aquilo que quiserem. Dancem bastante.
Beijem muito!!!!!!!!!! Amem mais!!!!!!!!!! Abracem bem apertado.
Durmam com os anjos. Sejam protegidos por eles.

Agradeçam por estarem vivos e terem sempre mais uma chance para recomeçar.
Agradeçam as suas escolhas, pois certas ou não, elas são suas. E ninguém pode ou deve questioná-las.
Eu gostaria de agradecer aos amigos que eu tenho.
Aos que me 'acompanham' desde muito tempo. Aos que eu fiz este ano.
Aos que eu escrevo pouco, mas lembro muito. Aos que eu escrevo muito e falo pouco.
Aos que moram longe e não vejo tanto quanto gostaria. Aos que moram perto e eu vejo sempre.
Aos que me 'seguram', quando penso que vou cair. Aos que eu dou a mão, quando me pedem ou quando me parecem um pouco perdidos.
Aos que ganham e perdem. Aos que me parecem fortes e aos que realmente são.
Aos que me parecem anjos, mas estão aqui e me dão a certeza de que existe algo de divino neste mundo.
Agradeço a todos por fazerem parte da minha vida!
Desejo que 2010 seja um ano bem mais feliz, amoroso e próspero para todos nós!
F E L I Z A N O N O V O ! ! !

December 29, 2009

Meu Presente de Natal

Meus últimos Natais foram acridoces: em 2007 tinha acabado de saber que teria que operar o fígado de novo e em 2008 passei junto com a minha avó que tinha acabado de sair do CTI mas ainda esta internada na Casa de Saúde São José. Foram ocasiões felizes, pois estávamos todos vivos, mas passar o Natal pensando em hospital é tristíssimo. Desde então faço uma oração mais que especial para aqueles que atravessam situações difícies nesta época do ano.

Mas este ano, além da alegria do Natal saudável em família, tive notícias do Douglas, um jovem muito do bem que se prepara para ser pai em fevereiro, mas que encontrou uma pedrinha no seu caminho meses antes, ou melhor, encontrou um outro tumor no seu fígado muitos anos depois da primeira cirurgia.

Nos falamos muito até a cirurgia dele e sempre tivemos a certeza que tudo daria certo. O Douglas, assim como eu, é gato escaldado, e conhece a doença como poucos. Além disso, sempre confiou muito nos médicos que o operaram ambas as vezes.

A última vez que tive notícias dele foi em outubro, dias antes da cirurgia e até poucos dias, nada. Confesso que comecei a temer pelo pior...intensifiquei minhas orações poe ele, por sua esposa e pelo Gabriel, este anjinho que ainda nem chegou mas já traz esperança a paz e todos. Entaão quase chorei de alegria quando recebi um email dele no dia 25 de dezembro. Ele está bem e se recupera da cirurgia e aos poucos retoma a vida normal. Está firme e forte para receber seu primeiro herdeiro em breve, cheio de vida e cheio de força.

Se o Douglas recebeu a saúde de volta, e o Gabriel vai ter uma pai saudável que o receberá em breve, eu ganhei meu presente de Natal: um companheiro de jornada, alguém que, apesar de de vez em quando se deparar com ventos contrários, ajusta as velas e continua a navegar...assim como eu.

Num ano que perdi tanta gente querida, receber as boas notícias do Douglas no dia de Natal não pode ser coincidência!

Deus seja louvado!

December 25, 2009

Feliz Natal!!!!


Ainda não consegui para um minuto desde terça-feira e a nossa viagem até o Rio foi a versão tupiniquim-americana do filme Lola Corra Lola,com direito a engarrafamento fenomenal em Washington, estradas entupidas por conta da neve e da época do ano, passaportes esquecidos na casa de um amigo, e um embarque conturbadíssimo e mais que tenso. Mas como existem anjos espalhados por todos os lugares do mundo, naquela noite um deles atendia pelo nome de Ildi e se encontrava no check-in da United. Graças a ela conseguimos embarcar e nosso Natal foi salvo de um grande fiasco. Chegamos ao Rio no dia 23 e desde então temos curtido muito a família e o calor!

Sei que ando bem sumida daqui, mas não poderia abandonar o blog num dia tão importante para mim. Aproveito o dia de hoje para refletir e agradecer tantas bênçãos recebidas durante um ano de alguns desafios, mas de grandes vitórias. Olhando para trás, percebo que em 2008, passamos o Natal no hospital, onde a minha avó se recuperava da cirurgia cardíaca e das várias complicações. Tê-la conosco saudável é o melhor presente do mundo. Junte-se a isto, ver a Chiara e a Giovanna abrindo os presentes no colo do Papai Noel...é muito melhor do que poderia sonhar.

Que o espírito de Natal possa acompanhar a cada um de nós durante todos os dias do Ano Novo!

Feliz Natal!!!!

December 21, 2009

Contagem Regressiva Total

Depois de quase 72 horas ilhada por conta da nevasca que caiu no fim de semana e vivendo sob temperaturas nórdicas, já estou ficando impaciente para escapar do frio rumo ao sol.

É por estas e outras que mesmo morando fora há anos e anos, nunca passei um Natal longe de casa. Não me importo de passar meu aniversário longe ou qualquer outro feriado, mas Natal é Natal e nada melhor do que passar em casa com a família e no CALOR!

Claro que até lá é um stress só: malas que não fecham, últimas compras, pendências no trabalho, e desta vez, a bagunça nos aeroportos tem tudo para ser infernal, então a ideia é chegar cedo, munida de muita paciência. Desde que o avião saia no dia marcado e que no dia 23 estejamos no Rio, tudo bem.

Desejem-me sorte...

December 20, 2009

Sem Comentários...

Quando imagens falam mais do que palavras....




E onde estou eu nas fotos? Dentro de casa me escondendo do frio!!!!

December 18, 2009

Tempestade de Neve


Ao que parece Maryland e Washington, DC vão ter a maior nevasca dos últimos tempos. A No início da semana, previsão era de 20 cm, mas hoje já ouvimos de 30 cm para mais. De acordo com a metereologia, a neve começaria a cair à meia-noite, mas ao sairmos do shopping às dez, qual não foi a nossa surpresa ao ver tudo coberto de branco. Deve nevar direto até domingo pela manhã...

A julgar pela primeira nevasca do ano -- que nem era para ter acontecido, segundo a metereologia -- temos muitas chances de ficar ilhados em casa por um bom tempo...

Para não dizerem que é mentira minha...

Issued by The National Weather Service
Baltimore/Washington, MD
10:03 pm EST, Fri., Dec. 18, 2009

... RECORD BREAKING DECEMBER SNOWFALL FOR BALTIMORE-WASHINGTON METROPOLITAN AREAS BRINGING HAZARDOUS WINTER WEATHER TO THE REGION OVERNIGHT AND SATURDAY...

TOTAL STORM SNOWFALL TOTALS OF 1 TO 2 FEET ARE FORECAST TO OCCUR IN THE BALTIMORE-WASHINGTON METROPOLITAN AREAS BY DAWN SUNDAY... WHICH SHOULD ECLIPSE THE DECEMBER RECORDS FOR BOTH CITIES. THE RECORD DECEMBER SNOWFALL FOR WASHINGTON IS 12.0 INCHES ON 18-19 DECEMBER 1932... AND FOR BALTIMORE TO RECORD IS 14.1 INCHES ON 12-13 DECEMBER 1960.

SHOULD ACCUMULATIONS EXCEED 14 INCHES... THIS STORM WILL MAKE THE LIST OF THE ALL-TIME TOP 10 SNOWSTORMS ON RECORD FOR BOTH CITIES.


Amanhã posto umas fotinhas...

December 15, 2009

As Familias

Olhando para tras, como todo mundo faz no fim de ano, nao ha como deixar de lembrar daqueles que nos deixaram prematuramente ha pouco tempo. E claro que guardo um pouquinho de cada um dos meus amigos – reais e virtuais – no meu coracao. Nao ha como esquecer as covnersas que tivemos por email, telefone ou pessoalmente. No fim das contas, o que fica sao as lembrancas.

E junto com as estas lembrancas ficam as pessoas queridas que perderam pessoas queridas, ficam as familias que tem que lidar com um dano irreparavel. E claro que eu tenho fe e toda vez que penso nos meus amigos que se foram, imagino um cena e tanto: uma festa muito animada la em cima, um belo dia de sol, e paz, muita paz. Imagino que de alguma forma agora eles se encotraram e tambem sao amigos entre eles. E na minha vaidade boba, acho que volta e meia falam de mim, e agora me olham la de cima.

Todo mundo sabe que comecei o blog pelo motivo mais egoista do mundo: precisava de um lugar para expurgar a minha dor, que ja nao cabia mais no peito. Precisava de um lugar onde pudesse despejar meu pensamento, numa tentativa de organizar meus medos e de encontrar meu eixo.Mas foi ai que veio a minha maior surpresa: encotnrar pessoas que de alguma forma entendiam aquilo que eu queria dizer, ou por serem sensiveis demais, ou por terem vivido situacao parecida ou por terem passado por algo tao doloroso ao lado de alguem querido.

Volta e meia conto a historia de um amigo jovem que partiu recentemente vitima desta doenca tao covarde. Volta e meia, alguem me pede mais detalhes, me pergunta de onde nos conheciamos. Em alguns casos, a resposta e direta e satisfaz: tinhamos amigos em comum, conheci atraves do meu trabalho voluntario e ponto. Outras vezes porem, ao dizer que na verdade nunca tinhamos nos visto pessoalmente, mas eramos amigos de blog de troca de emails, noto que as pessoas nao sabem bem o que pensar... Como assim, amigo que nunca viu?

Por mais popular que o mundo online tenha se tornado, muita gente ainda nao entende os lacos ciberneticos. Claro que tem muita gente que vive algo meio fora de proporcao – armar barraco em Orkut, fazer guerrinha em Facebook ou ate mesmo deixar comentarios venenosos em blogs alheios – nada disso combina comigo. Tenho horror a conflito e os evito ao maximo no mundo real, entao nao consigo conceber a ideia de me meter em imbroglios virtuais.

Em vez de criar picuinha com desconhecidos, sempre preferi fazer amigos ou reatar antigas amizades online. Fiz muitos amigos e acompanhei as historias de muitos, que apesar de tanto sofrimento nunca desistiram de lutar, nunca se tornaram amargos. E por me tornar tao proxima destas pessoas tao queridas, acabei de certa forma me tornando amiga da familia tambem. E nem a partida dos meus amigos mudou isto, sinto que sem querer me tornei parte daquela familia que ainda sofre com a ausencia de alguem tao querido e que de alguma forma ve em mim alguma ligacao com quem se foi. Por isto me emociono com a carinho de quem, apesar de tamanha perda, ainda se lembra de mim para me dizer o que gosta de mim porque seu filho, seu irmao, sua esposa sempre se alegravam quando falavam comigo ou recebiam meu email.

Escrever um blog e como lancar uma mensagem na garrafa num oceano virtual...nunca se sabe quem vai nos encontrar. Num momento de desespero, ao lancar meus pensamentos no vazio, consegui atingir tantas vidas que me tocaram para sempre. Se engana quem pensa que atraves das minhas palavras eu acabei ajudando alguem...na verdade estes ‘alguens’ , muitos dos quais ja nao estao mais aqui e que se tornaram para sempre meus anjos da guarda e exemplos de coragem cujas historias nao me canso de contar. Eles podem nao estar mais aqui, mas vivem dentro do coracao de cada um de nos que decide compartilhar suas historias.

December 13, 2009

Desperate Housewives of Howard County




Sempre achei que tudo aqui na suburbia me lembrava o programa de TV -- as casas todas lindas, as crianças fofas, os SUVs, e as soccer moms. Acho que é justo por isto que Desperate Housewives se tornou sucesso absoluto por aqui, com direito a spinoffs e reality shows inspirados na ficção. Por aqui não se fala em outra coisa: Real Housewives of Orange County, Atlanta, New Jersey, New York, e, em breve, Washington, DC. Mas a verdade é que as "real housewives" estão mesmo por todos os lugares...

No fundo, acho que quase toda a mulher americana queria ser uma real housewife. Ontem, na festa de Natal dos vizinhos, lindíssima por sinal, isto ficou bem óbvio. Todo mundo rindo, achando graça, mas não se falava em outra coisa...as real housewives de Howard County.

Saímos de lá e a festa ainda estava bombando, mas que tinha muita housewife cheia de birita e muito marido sem graça, isto tinha...por isto decidimos sair à francesa, logo depois de ouvirmos o a pérola que ilustra o post de hoje. Deixo para a criatividade de vocês imaginar o que venha a ser "Tootsie Roll." :)

December 11, 2009

Abandono



Infelizmente meu blog tem andado abandonado nas ultimas semanas. Alias, nao so meu blog, mas minhas contas no Facebook e no Orkut e meus emails tambem tem ficado para tras, tudo por conta do trabalho.

Como saio de casa muito cedo, volto exausta e tarde, depois de passar um dia inteiro a frente do computador, acabo nao postando nada. Como esta historia de vida corrida, quem sai perdendo sou eu, que tive que abandonar minhas aulas de yoga e as minhas sessoes terapeuticas no blog.

Sempre usei este espaco para desabafar, para colocar meus pensamentos em ordem, para escrever sobre coisas que me tocam de alguma forma. Atualmente nao tenho tido tempo para este tipo de reflexao, o que e uma pena...

Ainda tenho tantas coisas na cabeca...tanta coisa para colocar para fora, mas o tempo e tao pouco. As vezes acho que estou me rendendo a vida mecanica por aqui, o que por sinal nunca vou achar normal. E algo que de certa forma me agride. Este fanatismo, esta gaiola que e a vida corporativa americana. No Brasil, a gente pode ate sentar em baia e trabalhar doze horas por dia, mas sair para almocar e bater papo com o colega de trabalho num intervalo rapido nao e visto como crime.

Cada vez mais acho que, ao contrario do que sempre pensei, a vida corporativa nao e mesmo para mim. Sou sensivel, sou criativa. Preciso de espaco e de gente...esta vida de Dilbert nao me atrai nenhum pouco... Quando crescer, quero ser dona do meu proprio nariz!

December 9, 2009

Inverno...

Chegou e já está fazendo estrago por aqui...
Temporal e enchente...

December 7, 2009

Carmi

Sábado passado, dia 5 de dezembro, o Todd teria feito 29 anos. Claro que liguei para a Carmi para dar um beijo nela. Imaginei a dor e a saudade que ela deveria estar sentindo, mas ela, de novo, me surpreendeu. Forte e determinada, me disse que estava bem. Que tinha muita saudade do filho, mas também tinha muita fé e sabia que ele estava bem. As palavras dela me comoveram.

Ela disse ter ficado emocionada com a minha ligação, mas me garantiu que estava tranquila, que ia sair com a família toda para jantar num dos restaurantes favoritos do Todd. Achei a ideia otima: a família reunida para falar de lembrar e celebrar uma vida tão bacana. Ela disse que gostaria de repetir o ritual a cada ano.

Quando perde-se alguém tão jovem de uma forma tão brutal é normal procurar por explicações, então o que a gente mais escuta é que "fulano cumpriu a sua missão." É claro que a gente nunca vai saber qual é a missão do outro e o motivo dela ter se encerrado tão rapidamente, mas nestas horas, mais que explicação, a gente precisa de consolo.

Só que no caso do Todd, a missão dele era muito clara, muito óbvia. A missão dele era unir a família que andava dispersal. Os pais dele, que se separaram havia muitos anos, permaneceram unidos ao lado do filho até o final. E mesmo depois da partida do Todd, se veem sempre e continuam muito próximos, pois acho que só um entende exatamente a dor do outro. A relação da Carmi com a filha, que também estava um pouco abalada, hoje é excelente. Durante o tratamento do Todd, Angie passou boa parte do tempo em Baltimore, ao lado da mãe e do irmão caçula. Parece até que o Todd partiu mas não sem antes ter certeza de que a mãe não ficaria sozinha. Aliás, nos últimos dias dele por aqui, quando perguntado sobre medos e preocupações, ele só falava na mãe e na família...

Além disto, ele deixou os pais numa sitação financeira bem confortável. Os investimentos e as economias dele possibilitaram que a mãe pudesse se aposentar mais cedo. Além de deixar os bens para a família, deixou contribuições para instituições de caridade e para financiar uma bolsa de estudos para um jovem portador de câncer que queira continuar a estudar.

O mais surpreendente é que ninguém sabia que ele tinha planejado tudo em novembro do ano passado, antes de fazer o transplante, sem o menor alarde. Incrível pensar que um jovem de 28 anos tenha tido maturidade para enfrentar uma situação tão terrível com tanta coragem e sabedoria. Não consigo nem imaginar como ele pode tomar tantas decisões sozinho.

Então nestas horas não posso deixar de pensar que a missão do Todd por aqui foi cumprida com louvor: em 28 anos ele conseguiu fazer o que muita gente não vai fazer em cem. E assim como a Carmi, não me restam dúvidas de que ele está num ligar ótimo agora...

December 5, 2009

O Inverno Chegou de Surpresa...




Quando imagens valem mais do que palavras...
A meteorologia errou feio por aqui. [Parece até um outro país que eu conheço.]
A previsão era de chuva misturada com um pouco de neve até às três da tarde e sem acúmulo nas superfícies...
Confiando na previsão, saí para a acupuntura sem medo -- odeio dirigir na neve! Uma hora depois, quando a consulta acabou, mal pude acreditar ao ver meu carro enterrado em tanta neve! A sorte é que a neve ainda estava fofinha e deu para limpar os vidros sem problema. Já as ruas estavam cobertas de neve e escorregadias...
Ainda bem que consegui chegar em casa sã e salva...mas as compras de Natal e o resto das coisas que ia fazer hoje vão ter que ficar par outro dia, afinal hoje foi "Snow Day"!

December 4, 2009

Mea Culpa

Post rápido só para pedir desculpas aos amigos que acham que estou sumida pois não tenho respondido a emails. Longe de mim ser mal-educada, mas ainda não consegui agradecer os email de feliz aniversário do mês passado...

O que acontece é que ultimamente o trabalho tem me consumido -- de verdade! Cliente chupa-cabra mesmo! Dez horas na empresa ultimamente sem direito a sair pra almoçar e com computador monitorado, pelo menos duas no trânsito -- não sobra tempo para nada. Nos últimos dias ainda fiquei às voltas com uma matéria -- bem legal por sinal -- para a Noivas Rio de Janeiro, então me enrolei toda. Nunca imaginei que escrever uma matéria que eu sugeri e já tinha a pesquisa toda feita fosse me dar tanto trabalho. Tomara que as leitoras gostem...

Amanhã, volto para postar alguma coisa decente e tentar ser um pouco mais reflexiva, pois ultimamente manter a cabeça fora d'água tem sido um feito e tanto.

Bom findi pra todo mundo! Ah que maravilha que é sexta-feira!!!!

December 2, 2009

Arrumando um jeito...

O emprego novo tem acabado com a minha vida de blogueira. Passando no mínimo duas horas por dia no trânsito, mais pelo menos umas nove com a cara enfiada no computador monitorado da empresa...fica complicado, pois ainda preciso comer, tomar banho e dormir nas outras 13 horas (ou menos!) que me restam. E ainda tem o coitado do marido!

O legal do blog é que sempre foi meu espaço de reflexão, de troca, um ritual, assim como a minha yoga que foi pro brejo também graças ao emprego novo. Tudo bem que me livrei de algumas coisas horríveis, mas o tempo livre sofreu danos irreparáveis.

Já que estamos em dezembro, vou começar a pensar nas minhas prioridades para 2010 -- Socorro! 2010? Ontem ainda estávamos falando no tal Y2K ou bug do milênio!!! -- e como fazer para implementar pelo menos algumas.

Numa sociedade viciada e excessos, que da boca pra fora promove a ideia da vida saudável, mas que acha que um ser humano normal só precisa de 10 dias de férias por ano e que torce o nariz se um funcionário sai todo dia para almoçar, é difícil encontrar equilíbrio. Mas como uma amiga minha sempre me disse que eu era uma controvéria ambulante, vou tentar dar um jeito.

Vou arrumar um tempo pro blog e pelo menos um dia por semana vou dar as caras na yoga. Quando a tensão é grande a gente precisa arrumar um tempo para respirar...pelo menos!

November 30, 2009

National Harbor



Como os dias de sol e clima ameno vai ficar cada vez mais escassos por estas bandas, domingo enchi a paciência do Blake para sair de casa.

Acabamos indo ao National Harbor, uma área nova aqui em Maryland, perto de Washington, cheia de restaurantes e lojinhas...tudo bem americano, bem artificial, tipo Disneylândia para adultos. Aliás, americanos tem esta mania de desbravar até mesmo o que já foi abandonado: os caras acham uma área, um terreno bem grande, colocam tudo abaixo e constroem uma cidade nova do zero. Claro que fica tudo com a mesma cara de Lego, mas pelo menos as grandes cadeias de lojas e restaurantes até agora não deram as caras no National Harbor... as lojinhas e restaurantes de lá são mais chiquezinhas...

E vai gostar de harbor, ou porto para nós, como americano: aqui perto já tem o Inner Harbor, em Baltimore, projeto responsável pela revitalização do centro da cidade. Como deu tão certo, agora a ideia brilhante deve ter virado franquia.

Como o projeto do National Harbor ainda é relativamente novo e a economia não anda lá estas coisas, ainda há bastante coisa por abrir, mas mesmo assim valeu o passeio.

Pelo menos deu para sair sem casacão e tirar umas fotinhas com tema natalino...

Escrever para quem?

Desde muito pequena escrevo. Sempre escrevi, em diários escondidos embaixo da cama ou no fundo do armário, nas folhas de papel almaço para as redações da escola, nas provas de história ou nos concursos literários...sempre dei um jeito de incluir as minhas palavras e exprimir meus pensamentos de alguma forma, sempre que havia chance.

Escrever para mim sempre fácil e natural, mas de alguma forma eu sentia que faltava alguma coisa na minha escrita. Não que as minhas palavras não tivessem alma ou substância, ou até sinceridade. Gosto de pensar que elas sempre tiveram estas qualidadades, mas lá no fundo acho que o que me faltava mesmo era coragem. Coragem para me expor, para me desnudar e coragem para assumir que escrevo para mim, num ato egoísta e catártico.

O mais difícil para um escritor é manter a honestidade. É claro que sempre pensamos no leitor, mas a partir do momento que mudamos a nossa história com este leitor em mente, deixamos de ser nós mesmos e enganamos aquele que nos lê. Entendo que quem lê não-ficção está em busca de verdade e quer saber o que se passa na cabeça -- muitas vezes atormentada -- do narrador. Este leitor procura o real e confia no autor por isto. Quando o autor impõe filtros e análises, ele priva ao leitor e a si mesmo.

Uma vez li que a primeira forma de censura era o ato de reler uma carta. Desde então, freio meu impulso de reler o que já foi escrito. Claro que não quero que erros de datilografia ou de gramática sejam ruídos na minha mensagem. Mas também não quero que a minha mensagem se perca no meio de tanta técnica. Procuro rapidamente por erros superficiais e propositalmente ignoro o teor do texto. Assumo o papel de editor, ou melhor, de copy-desk, me tornando invisível.

Como autora, escrevo para tentar entender a mim mesma. Escrevo para tentar tocar a alma do outro. Mas entendo que só posso tocar o outro de verdade se estiver sendo honesta comigo mesma. Então aos que me perguntam para quem eu escrevo, a resposta é uma só: escrevo para mim, para me liberar, para me explicar e para me entender. E espero desta forma poder tocar o outro.

November 29, 2009

Ninguém merece...



Normalmente não comento sobre estes assuntos, mas esta foto me deixou boquiaberta.

Dá para acreditar que a Heidi Klum teve bebê mês passado (9 de outubro)???
Ou ela é de fato abençoada além da conta, ou passou uma fome brava ou entrou numa faca sinistra na mesma hora...

Inacreditável!

November 28, 2009

A Crise e A Caneca

"Dani, assim não vai dar. Estou com vontade de matar a sua mãe," dizia a voz da minha irmã do outro lado da linha,ligando do trabalho no Brasil. O engraçado é pensar que apesar das palavras dela "a sua mãe", a mãe é dela tanto quanto minha. Detalhes, pensei.

"Como assim? Por que?," fui logo perguntando o motivo da última crise a afetar a família Duran.

"Você lembra das canequinhas que mandei fazer para o batizado da Giovanna, que vai ser em janeiro? Lembra que te mostrei o modelo e o layout delas? O que você achou?," Andressa me perguntava ansiosa.

"Achei bonitinhas," respondi logo.

"Pois é, mas a mamãe odiou! Ligou para cá me esculachando, dizendo que era um absurdo eu oferecer caneca como lembraça de batizado. Disse que era uma coisa tosca, sem classe, um horror. Ainda colocou a coitada da Vovó no telefone para dar razão a ela. Foi falando que a lembrancinha do batizado da Chiara tinha sido fofa e a coitada de Giovanna ia ter lembrancinhas horríveis: canecas grosseiras," a minha irmã se lastimava do outro lado da linha. "Você achou bonitinha mesmo?," ela queria certeza.

"Gostei sim, pelo modelo que vi online. A gente coloca numas bolsinhas bonitinhas, enche de doces e fica lindo," sugeri.

"Ótimo, então vamos ver se a gente acha alguma coisa de organza na internet!," ela logo se animou.

A beleza de internet está aí: solução imediata para seus problemas de qualquer lugar do mundo, a qualquer hora. Santa Amazon! Bendito Google! Amém! Dentro de poucos segundos achamos umas sacolinhas de organza muito fofas. Minha irmã respirou mais aliviada.

"Vou comprar agora mesmo! Depois só preciso ver as balas. Vai ficar bonitinho, não vai?," perguntava ela, no fundo pedindo afirmação.

"Claro que vai," disse eu, sinceramente.

Mas ela continuava a se justificar [que efeito palavras de mãe tem sobre as filhas!]. Acho que a mamãe não entendeu meu objetivo. Pensei em dar uma lembrancinha útil para as pessoas e não um cacareco qualquer que pode ser bonitinho mas não serve pra nada. Eu já tinha dado caixinhas no nascimento das meninas, bloquinho no batizado da Chiara, então achei uma canequinha interessante. Acho que a minha mãe não entende o mundo corporativo. Aqui no trabalho todo mundo usa, até para esquentar sopa. A caneca parece uma verde sua que você deixou na casa da mamãe, nada demais. E de mais a mais, quem não usa caneca para tomar chá ou esquentar sopa pode usar como porta-lápis," ela concluiu já mais tranquila.

Desligamos e eu respirei fundo, voltando a tal matéria que tentava escrever sem muito sucesso.

Alguns minutos depois, o telefone toca de novo. Quem estava do outro lado da linha? Minha mãe!

"Minha filha, estou decepcionada com a sua irmã," ela foi logo me dizendo. "As tais canecas que ela encomendou para o batizado da Giovanna são terríveis!," mamãe foi logo abrindo o verbo. "Não sei onde ela estava com a cabeça quando teve uma ideia destas. Onde já se viu dar caneca de lembrança de batizado? Tinha que ter pelo menos algo religioso."

"Eu sei, Mãe, mas não há tantas opções assim e eu acho caneca legal. Pode ficar bonitinha. Aqui em casa temos aos montes e todo mundo usa. No trabalho idem. A gente já comprou umas bolsinhas de organza muito fofas e, você vai ver, o produto final vai ficar delicado," tentei tranquilizar a minha mãe.

"Não entendo vocês, duas moças finas, gostarem desta ideia de caneca," ela protestou.

Confesso que a frase me parecia mais saída da boca da minha avó. Aliás, quando a gente discorda delas, elas questionam logo a nossa finesse, que, cá entre nós, deixa bastante a desejar. E depois ainda jogam a culpa na família do meu pai. "Só podia ser mesmo. Espanhol é tudo grosso! Puxaram ao lado do seu pai," minha mãe diz quando perde a paciência ou se vê em muitos argumentos.

Mas de volta à crise: o fato é que as 50 canequinhas já foram compradas e devidamente entregues na casa da minha irmã. A esta altura do campeonato, comprar 50 brindes aqui nos States e levar pro Brasil [como sempre faço] não me parece ideia das melhores, então o negócio é partir para damage control ou controle de danos. Vou rezar para estas bolsinhas de organza serem o must, pois só assim minha mãe desencana das tais canecas.

Nunca pensei que eu, aqui da pacata Maryland, fosse ter que negociar a paz na Faixa de Gaza, que pelo menos ontem se situava em algum lugar próximo ao Canal de Marapendi, na Barra da Tijuca!

November 27, 2009

Thanksgiving, Black Friday, etc...


Como quase todo mundo sabe, por aqui estamos todos curtindo o feriado prolongado de Thanksgiving, ou Dia de Ação de Graças, o que muitos consideram o feriado americano mais importante, pois independe de religião, de raça e une todos os americanos como "nação".

Além da importância de celebrar a primeira vez que os pelegrinos sentaram com os índios para comemorar uma colheita abundante, para os americanos mais contemporâneos é a data perfeita para celebrar algo também tipicamente americano: o consumismo sem medida, já que hoje, Black Friday [Sexta-feira Negra] costuma ser o melhor dia de vendas no varejo. A histeria é tão grande que ano passado um funcionário morreu pisoteado no Wal-Mart, quando a loja abriu as portas de madrugada.

Muita gente passa o ano todo esperando pela data, mas eu, sempre na contramão da história não gosto nem de sair de casa: shopping lotado, impossível de achar vaga, filas intermináveis, gente mal-educada, empurra-empurra...um horror! Devagarzinho faço minhas comprinhas online ou em dias de menor movimento. Detesto fast-shopping da mesma forma que odeio fast-food. Para mim, tanto comer quanto comprar são atividades sociais, não maratonas malucas de quem pode mais.

Por incrível que pareça, quanto mais tempo passo nos EUA, menos consumista fico. Encho a boca para dizer que mesmo tendo morado em Nova York, meca do consumo, durante cinco anos, e ganhando um salário ridículo, nunca entrei no vermelho. Claro que morando no West Village, não me sobrava nada no final do mês, mas nunca deixei de pagar meu cartão de crédito em dia. Apesar dos apelos consumistas, ds mensagens subliminares, de tantas influências, meu crédito permaneceu intacto. Um feito e tanto, principalmente quando se tem vinte e poucos anos.

Diferente do que acontece no Brasil, aqui seu nome não fica sujo e vai para o SPC por causa de cheque sem fundo, afinal ninguém usa cheque, muito mesmo pré-datado. Mas qualquer atraso no pagamento de qualquer coisa, qualquer deslise seu, fica registrado na sua "credit history" ou histórico de crédito, que é como se fosse um nada-consta financeiro. Se seu histórico não for bom, você não consegue cartão de crédito, leasing de carro, instalação de TV a cabo...às vezes nem emprego! Então a coisa é muito séria e persegue o cidadão por um bom tempo.

Graças a Deus eu e o Blake lemos da mesma cartilha, o que facilita muito a nossa vida. Quando conseguimos financiamento para esta casa, nosso cuidado com o crédito veio a calhar, já que o nosso histórico era excelente (é como se fosse nota no boletim, com direito a número e tudo!). Apesar de estar aqui há pouco tempo depois de casada, os oito anos que eu já tinha passado no país contaram a meu favor... Nunca imaginei uma coisa destas.

É claro que como brasileira, também gosto de umas comprinhas...mas quase nunca perco a cabeça e de tempos para cá é muito raro comprar uma coisa da qual me arrependa depois. Aprendi a ficar mais cautelosa. E detesto, odeio, não suporto cacarecos!!!!

Morar aqui nos EUA me fez mais seletiva, acho. De tanto ser bombardeada por comerciais e apelos consumistas, acabei enjoando um pouco [ou muito]. É mais ou menos a mesma sensação que tenho quando vou a uma churrascaria: só de ver tanta carne fico enjoada. Tão enjoada que saio correndo para o buffet de saladas e me entupo de pão de queijo...

Vou aproveitar o feriado de hoje para colocar umas coisas em dia e descansar, pois esta commute pro trabalho está me matando...fora que o blog tem ficado abandonado, pois do novo trabalho nem checar email pessoal a gente pode! Well, c'ést la vie...e boa sexta -- negra ou não -- pra todo mundo!

November 23, 2009

Natal chegando...

Acreditem se quiser, mas a nossa arvore de Natal ja esta armada. Nao foi nada planejado, mas o Blake foi arrumar umas caixas na garagem e a arvore caiu na cabeca dele, entao para nao correr mais risco, ele resolveu levar a caixa para a sala. Como eu nao tomavaa ininciativa, ele abriu a caixa e comecou a armar a dita-cuja. Logico que quem terminou de arrumar tudo fui eu, pois ele nao leva muito jeito nao...

A semana vai ser curta por conta de Thanksgiving, entao espero que de para colocar umas coisas em ordem.

Logo, logo inicio a contagem regressiva para ir pro Brasil...ai que vontade de sentir calor!

November 20, 2009

Deu a louca nos medicos americanos...

Dias depois da confusao causada pela recomendacao da task force de que mulheres nao precisam fazer mamografia ate os 40 anos, agora foi a vez do exame ginecologico (Papa Nicolau) ser atacado.

De acordo com o American College of Obstetricians and Gynecologists, mulheres jovens, mesmo que sexualmente ativas, so precisam comecar a realizar exames preventivos aos 21 anos!!! A noticia esta em toda a midia.

Alem disto, apos os 21 anos, a recomendacao e de um exame a cada dois anos, em vez do anual, recomendado atualmente. Dos 20 aos 30, a recomendacao passa a ser a cada -- pasmem!!! -- tres anos!!!

Nao sou medica, mas como paciente acho isto um enorme RETROCESSO. Claro que nem o exame preventivo nem as mamografias sao 100% precisos, mas o fato e que desde os anos 70, as taxas de cancer de colo de utero cairam 50% e os indices de cancer de mama sao semelhantes.

A desculpa, ou melhor, o motivo, alegado pelos medicos e que o cancer de colo do utero e de crescimento muito lento, entao a manutencao pode ser mais espacada...

Como leiga, sinceramente nao e isto que tenho visto e/ou ouvido entre as mulheres que conheco: muitas delas tiveram lesoes detectadas e tratadas depois de seus exames anuais. A grande maioria conseguiu bons resultados justamente por ter recebido um diagnostico precoce. Imagina se tivessem esperado os tais tres anos recomendados? Talvez nem estivessem mais aqui. E quem se lembra da Jade Goody, ex-BB inglesa que morreu no inicio do ano vitima de cancer no colo do utero? Ela tinha descoberto a doenca em agosto de 2008 e seu ultimo exame tinha sido tres anos antes...

Depois de uma semana como esta, a certeza que fica e de que NOS cada vez mais as responsaveis por nossa saude. Eu vou tratar de ignorar qualquer recomendacao que va contra o que eu acredito ser certo. Mamografia: uma vez por ano por enquanto. E exame preventivo, pelo menos uma vez por ano. Seguro morreu de velho!

November 19, 2009

Perdas e Ganhos

Ontem tive a triste noticia que a mae da minha amiga Adriana faleceu. Voces devem lembra do post que fiz sobre doacao de sangue. Fiquei tocada com o apoio de tantas pessoas que sequer conhecem a Adriana ou a familia dela. Estas coisas sempre me emocionam demais e me dao a certeza de que o ser humano e bom e nobre.

Infelizmente a mae dela faleceu no inicio da semana, uma dia antes de receber alta. Nao tenho muitos detalhes, pois ainda nao consegui falar com ela. Mas parece que o coracao nao aguentou. Nestas horas nao existem palavras para confortar uma pessoa tao querida que sofre tanto. Tem horas que a gente ate questiona tudo...mas nao pode! Fe e crer naquilo que nao se pode ver, entao eu agarro a minha e peco que voces coloquem a Adriana e a familia dela em suas oracoes.

Mas hoje tive uma noticia otima que merece ser celebrada, ainda mais num ano dificil e de grandes perdas para a doenca que mais odeio no mundo Voces devem lembrar de Giulia, uma menina carioca que estava se tratando da recidiva da leucemia no Hospital da Lagoa.

Apesar da pouca idade, ela se mostrou valente a toda prova, assim como seus pais e amigos, que abracaram as causas do cancer infantil e da doacao de medula ossea de coracao. Ainda estavam em busca de um doador para a filha quando tiveram a noticia de que a pequena esta CURADA! Sendo assim, nao vai mais precisar de transplante. A felicidade e enorme e compartilhada com todos que de alguma forma foram tocados pela historia de coragem e de amor desta familia.

Abaixo segue o email da mae dela que foi enviado a minha amiga Priscila, que e amiga da familia e por causa da Giulia, tornou-se voluntaria do Hospital da Lagoa.
Uma noticia excelente, um novo sopro de esperanca...quando eu ja achava que esta guerra estava desleal demais.

Vida longa a Giulia! Hoje vamos todos celebrar com ela esta grande vitoria! E quem ainda nao se cadastrou, NUNCA E TARDE para DOAR A MEDULA!!!!


Queridos,
Repasso email da minha amiga, com boas notícias de sua filha Giulia, para todos aqueles que sempre perguntam por notícias dela e/ou que colaboraram nas campanhas que fizemos pelas crianças do Hosp. da Lagoa.
Para Deus NADA é impossível, Ele pode TUDO e realiza milagres... É emocionante! Claro que às vezes não aceitamos ou entendemos algumas coisas que acontecem, ficamos tristes, mas temos que acreditar muito em Deus e nunca perder a fé!
Aos que perguntam pela Giulia, segue e-mail abaixo.
Agradecimentos e bjs a todos!
Priscila Passos

Mensagem original
De: Maria Helena Hallais Silva < helenahallais@yahoo.com.br >
Para: Helena Hallais < helenahallais@yahoo.com.br >
Assunto: Belas Notícias Giulia !!!
Enviada: 18/11/2009 14:00



Família e Amigos,



Em fevereiro deste ano de 2009, infelizmente, precisei vir aqui pedir ajuda pq minha Giulia recaiu da Leucemia. Agora, FELIZMENTE, venho aqui escrever essa mensagem com grande alegria, para dizer que a Giulia está CURADA.

Esta semana ela fez um exame chamado MIELOGRAMA (para saber o residual mínimo da doença) e estávamos tensos, pois o exame iria dizer se ela ainda estava com células doentes e também se havia necessidade de Transplante de Medula Óssea.

Esperávamos o resultado do exame para semana que vem, mas recebemos um telefonema da médica que nos deu a maravilhosa notícia: o resultado deu NEGATIVO, ou seja, 0% de células doentes e, com isso, não precisará fazer o TRANSPLANTE de Medula Óssea, graças à Deus !!!



A GIULIA ESTÁ CURADA!



Não tenho aqui palavras para descrever tanta felicidade, e a felicidade dela (é claro), mas também não poderia deixar de dividir essa notícia com todos vocês, que foram importantes e atuantes, a todo momento tentaram nos ajudar, fazendo o teste de compatibilidade e procurando doador de medula, sangue, plaquetas e, principalmente, orando e enviando energias positivas.

Agora faltam 2 meses de quimioterapia mais leve, que fazem parte da conclusão do protocolo e término do tratamento. Depois ela entra em manutenção, que nada mais é do que consulta médica 1 vez por mês, para acompanhar o organismo pós-tratamento...

Deus é MARAVILHOSO!!!

Tão logo termine essa etapa final, faremos uma missa em ação de Graças pela Cura da Giulia, e gostaria de contar com a presença de todos vcs!!!

Continuamos orando e agradecendo...

E agora, mais do que nunca, precisamos aumentar a divulgação da campanha de doação de medula óssea, para que mais voluntários façam o teste de compatibilidade. Não podemos esquecer que GIULIA não precisou, mas muitos estão na fila precisando e não possuem doador compatível... Eu, mais do que nunca, sei o que é tal necessidade, pois se a Giulia necessitasse do Transplante, ainda NÃO tinha nenhum doador compatível !!!

Você pode ser um candidato a salvar uma VIDA !!!



Obrigada por TUDO !!!



Eternamente Grata,

Helena Hallais , Giulia e Família

November 17, 2009

Momografia So aos 50?!

A noticia esta por todos os lados, mas a American Cancer Society continua recomendando o exame anual a partir dos 40 anos.

A American Cancer Society (ACS) recomenda a realização de uma mamografia anual para as mulheres com menos de 50 anos para detectar o câncer de mama, em contradição com o US Preventive Service Task Force (USPSTF), o serviço de saúde preventiva americano, que questionou sua utilidade.
"A American Cancer Society continua recomendando um exame clínico e uma mamografia anual para todas as mulheres a partir dos 40 anos", diz um comunicado assinado por Otis Brawley, diretor médico da ACS, que se ocupa da prevenção, do tratamento e da pesquisa sobre o câncer.

A utilidade da mamografia anual para detectar o câncer de mama nas mulheres com idades entre 40 e 49 anos havia sido questionada pelo USPSTF, indicando, apenas, os exames, a cada dois anos, a partir dos 50 anos.

"A American Cancer Society também vê limites na mamografia", que pode levar a erros de diagnóstico, à realização de um tratamento inútil, ou não detectando o próprio câncer.

"Mas, de qualquer forma, (...) as limitações não mudam o fato de que as mamografias a partir dos 40 anos salvam vidas", acrescentou a ACS.

A American Cancer Society destaca que 17% das mortes devido ao câncer de mama ocorrem em mulheres diagnosticadas entre os 40 e os 50 anos.


Sei bem como este exame e assustador e entendo a agonia de um falso positivo, pois so de ter que fazer e refazer o tal exame ja entrei em parafusos... Mas antes ter que lidar com um falso negativo do que deixar passar um resultado positivo.

E ai? O que voces acham?

November 15, 2009

Findi já acabou?

Tem dias que a dona do blog não está se sentindo nem contemporânea nem muito menos Cinderella. Hoje foi meu dia de gata borralheira! :) Depois de quase três semanas com a casa cheia e muito alegre, do jeito que eu gosto, hoje passei o dia colocando umas coisas no lugar. Os hóspedes não deixaram bagunça nenhuma, mas eu é que precisava arrumar as minhas coisas que ficaram meio bagunçadas no meio de tanto movimento. Ainda estou longe de ter terminado, mas já dei um jeitinho...

E amanhã começa mais uma semana movimentada. Ufa! Onde foi parar meu findi?

November 13, 2009

Guerreira e a Mae!

Sinceramente, estou cansada de ouvir dos outros que sou uma lutadora, uma guerreira. Tenho certeza que as pessoas ate tem as melhores intencoes quando usam estas palavras, mas para mim, ultimamente, estes adjetivos soam quase como ofensa, pois evocam a lembranca de que sempre tenho que lutar pelas coisas. Nada me vem facil. E claro que todo mundo pode dizer isto, pois sao poucos que nascem com a estrela da Gisele Bundchen ou do Pele e aposto que mesmo estes dois encontraram algumas pedras no caminho. Mas o assunto do post nao e este.

A verdade e que ultimamente, consigo pensar em varios adjetivos que gostaria de ver ligados ao meu nome, varios predicativos, e lutadora e guerreira nao esto entre eles. Primeiro porque as palavras luta e guerra implicam num embate, onde ha perdas, batalhas, vencedores e vencidos, nao exatamente o modo como espero levar a minha vida. Claro que acredito que devemos perseverar em busca de nossos ideais, mas viver lutando cansa e estressa demais. Nao e o que quero para mim.

Lembro que ha muitos anos tive uma conversa com uma amiga, com que infelizmente perdi o contato. Na epoca, ela tambem tinha tido sua dose de tribulacoes, entao me disse quase chorando. “Quando as pessoas falam da minha avo, sempre dizem que ela foi uma batalhadora, que ela lutou muito, que apesar das circustancias, nunca desistiu. Sabe que me da uma pena enorme dela? Ninguem fala do sorriso dela ou de como ela era alegre ou feliz, do que ela gostava ou de como era bonita. So dizem que ela teve uma vida de muita luta,” Beth me contava. Me lembro como se fosse hoje.

Entao minha amiga respirou fundo, olhou bem pra mim e disse: “Admiro muito a minha avo, mas sinceramente nao e isto que eu quero pra mim. Nao quero ter passar a vida inteira lutando para poder virar partir quando morrer. Nao tenho a menor vocacao para isto. O que eu quero e ser feliz agora e quando eu ficar bem velhinha, quero que meus netos e meus amigos falem de mim com alegria e digam “A minha avo foi uma mulher feliz. E so.”

Na hora, achei o comentario dela meio estranho. Incrivel perceber que levei dez anos para entender a profundidade das palavras da minha amiga. Mas eu, agora, assim como a Beth, tambem so quero ser lembrada como alguem que teve uma vida boa e que foi muito feliz. Longe de mim ser ingrata, mas sinceramente, lugar de heroi e heroina e nas paginas dos livros de historia ou nos filmes de ficcao. Vida de guerreiro, de lutador, na realidade e muito chata e estressa demais. Fora que, assim como a Beth, eu nao tenho a menor vocacao pra martir!

November 12, 2009

Humildade no Sofrimento

Hoje a Cris me mandou uma entrevista do nosso vice-presidente publicada em setembro na Veja. Nao canso de dizer aqui: e impossivel nao se emocionar com a coragem e a lucidez deste homem.

Estranho pensar que tenho tao pouco em comum com ele, mas o entendo tao bem. Suas palavras sempre tocam meu coracao e me inspiram constantemente. Quando imagino ter passado por grande dificuldades e volta e meia me sinto tentada a ter um pouco de pena de mim, quando as coisas nao saem exatamente como havia planejado, me aparece alguem que de alguma forma me chama de volta a realidade e me mostra o quanto tenho tido sorte nos ultimos tempos, mesmo com as minhas cirurgias, mesmos com meus exames, mesmo com meus medos e meus dramas, a sorte, que para mim tambem atendende pelo nome Deus, tem sido companheira constante.

Ao contrario de Alencar, que diz nao saber o que e angustia, este sentimento muitas vezes me incomoda bastante. A incerteza de nao saber que poderei realizar coisas banais ou mundanas e a constante lembranca disto sao como ferida aberta, latente que puxa e machuca. Uns dias machuca mais, outros menos e ha ainda aqueles dias particularmente felizes quando nem me lembro que ela existe. Tomara que esta angustia siga o mesmo caminho da enorme cicatriz da Mercedes que levo na barriga: pode ate chocar os outros, mas para mim e imperceptivel.

Mas assim como o nosso vice, aprendi muito com a doenca e acho que a humildade foi um dos grandes ensinamentos. Concordo plenamente com a ideia dele de que a humildade e desenvolvida naturalmente no sofrimento, ao percebermos quao pequenos somos neste universo tao imenso. Me lembro bem que quando tomei consciencia disto pela primeira vez estava dentro do chuveiro sendo ajudada pelas enfermeiras que me seguravam para que eu pudesse me lavar. Depois de dias no CTI, imovel, sendo lavada pela equipe de enfermagem, enfim estava no quarto e podia sair do leito. Uma conquista tao pequena, mas oa mesmo tempo tao grandiosa.

Logo eu, sempre tao independente e auto-suficiente, ali, entregue a compaixao de outras pessoas. Poderia ser constrangedor, mas nao foi. Nao foi porque deixei meu ego de lado e entendi que um dia todo mundo precisa de ajuda e que tinha tido sorte de poder ser atendida por pessoas tao dedicadas. A humildade nasce sim do sofrimento, nasce da incapacidade, da necessidade. E depois ela fica com a gente, como lembranca de que somos limitados, de nossa mera condicao humana.

Tenho uma amiga que teve cancer ha muito tempo. O caso foi gravissimo, mas felizmente ela se curou e esta mais viva e saudavel do que nunca. Quando fala da doenca, ela sempre diz que pede a Deus pra nao esquecer dos ensinamentos. “Peco a Ele que me mantenha saudavel mas que jamais me deixe esquecer da ‘porrada’. Sinto que aos poucos as coisas vao se apagando da minha memoria, mas entao me forco a relembrar tudo que vivi, so para poder ser grata e apreciar o que tenho hoje,” ela sempre diz. Nao poderia concordar mais com ela.

Ha dois anos eu fazia este mesmo pedido e perguntava a Deus como fazer para nao deixar que tantos ensinamentos fossem esquecidos. Pedia a Ele que me desse um aviso de como deveria viver o resto dos meus dias: colocando tudo que tinha passado de lado ou se usando a minha historia para ajudar outras pessoas que pudessem precisar de apoio e alento. Me questionei muito durante alguns meses. A resposta, que eu jamais esperava ou desejava, veio pouco tempo depois, na forma de um tumor de seis centimetros.

Definitivamente nao era o que eu queria. Alias, pensando bem, era sim, era a certeza que eu precisava, mas nao desejava que a minha vida fosse virar de ponta a cabeca mais uma vez.

Hoje, mais do que nunca, peco que a humildade me acompanhe sempre. Confesso que nao e tarefa das mais faceis, entao e por isto que volta e meia um puxao de orelha, na forma de entrevista, email, ou uma simples coversa franca, e mais que bem-vindo a qualquer hora. Forca a gente a entender o que e real. Faz com a gente fique mais "gente".

November 9, 2009

Sem esquecer da votacao da Reforma do Sistema de Saude

Engracado e que sabado fomos ate o centro de Washington com meus pais e com o Pedro, amiga deles que tambem esta aqui nos visitando. Tiramos muitas fotos bem em frente ao Congresso, onde os deputados votavam pela reforma do Sistema de Saude Americano. Timing perfeito!

E claro que ainda falta a aprovacao -- diga-se de passagem dificil -- no Senado e que a Reforma nao torna o Sistema de Saude Perfeito, mas o que mais me interessa e o que vai ser feito com os inasseguraveis. Antes que achem que sao poucas as pessoas que fazem parte do grupo, abaixo uma amostra das doencas que tornam alguem incapaz de comprar um plano de saude individual.



Cancer
• Malignant Tumor within 4 Years
(except skin cancer)
• Metastatic
Cardiovascular
• Artificial Heart Valve
• Cardiomyopathy
• Coronary Artery Disease
• Polyarteritis Nodosa
• Peripheral Vascular Disease
Endocrine/Exocrine
• Diabetes Mellitus
• Cystic Fibrosis
• Addison's Disease
Gastrointestinal
• Intestinal
o Crohn's Disease
o Ulcerative Colitis
• Liver
o Cirrhosis (non-alcoholic)
o Wilson's Disease
o Hepatitis
Hematopoietic
• Anemia
o Sickle Cell
o Splenic (True Banti's
Syndrome)
• Hemophilia
• Leukemia
• Thalassemia
Hodgkin's Disease
Immunological
• AIDS or HIV Positive
• Lupus

Musculoskeletal
• Dermatomyositis or Polymyositis
• Muscular Atrophy or Dystrophy
• Myotonia
• Rheumatoid Arthritis
• Still's Disease
• Legge-Perthes Disease
Neurological - Central Nervous System
• Cerebral Palsy
• Cerebral Vascular Accident (CVA)
• Epilepsy
• Gullian-Barre Syndrome
• Huntington's Chorea
• Hydrocephalus
• Lead Poisoning with Cerebral
Involvement
• Lobotomy
• Parkinson's Disease (if treatment
within 3 years)
Neurological - Periphal Nervous System
• Amyotrophic Lateral Sclerosis
• Friedrich's Ataxia
• Myasthenia Gravis
• Paraplegia or Quadriplegia
• Sclerosis, Multiple
• Syringomyelia
• Tabes Dorsalis (Locomotor Ataxia)
Psychotic Disorders
Pulmonary
• Silicosis (Black Lung)
Renal
• Polycystic Kidney
Other
• Brain Tumor
• Down’s Syndrome
• Scleroderma
• Transplants

Alem destas, obesidade, e claro! Ou voces nao ouviram falar no bebe de oito meses que teve cobertura negada por seus niveis estarem entre os 95% de gordura para sua faixa etaria?! isto porque o coitadinho passou a comer comida solida ha pouquissimo tempo!

Nao sei o suficiente para dizer que a reforma e perfeita. So sei que como esta, nao pode ficar!

Vida de Commuter


Commuter e o termo usado para classificar o povo que mora nos suburbs e trabalha nas cidades, aqui nos EUA. Dizer que fulano e commuter quer dizer que ele leva em torno de uma hora pra chegar ao trabalho e que o percurso pode ser feito de carro, de trem, de metro, de onibus ou de uma combinacao de todos os meios de transporte. Perrengue mesmo!

Nao posso dizer que nao estivesse acostumada a transito caotico, afinal morando na Barra e trabalhando em Botafogo e no Flamengo, a situacao as vezes se complica e muito! Acidente, chuva, enchente, invasao da Rocinha, tiroteio no Vidigal, fechamento do Zuzu Angel...vale tudo! Mas dizer que transito nao me importa seria uma grande mentira. ODEIO! DETESTO!

Para comeco de conversa, nao gosto muito de dirigir. Nao gosto nada! No Rio, sempre que podia, fugia do volante, mas aqui nao tem escapatoria. Ate pra ir a padaria a gente precisa de carro. Ate para ir a casa do vizinho, as vezes. Carro e uma continuacao da gente, e como se fosse um quinto membro. Coisa esquisita mesmo!

Semana passada foi um inferno, pois houve pane nos computadores que sincronizam os sinais aqui na regiao onde trabalho e meu percurso que normalmente leva em torno de 50 minutos de manha, levou uma hora e quarenta e a noite, na volta, quase duas horas. Desesperador.

Tive ate pesadelo no fim de semana. Hoje acordei as 5.45 AM, sai de casa as 6.50 e cheguei aqui as 7.45. Agora ja sao 8.15 e o escritoria esta as moscas...mas pelo menos cheguei aqui sem me desesperar no transito, entao ja valeu.

Semana passada me vi como personagem principal daquele filme antigo, "Dias de Furia"...estava a propria psicopata no transito. Haja acupuntura e yoga para me manter calma... So espero que esta semana as coisas voltem ao normal.

November 5, 2009

Sangue

Pois e, sou eu mais uma vez pedindo sangue...

Mas e que a mae de uma amiga de muitos anos esta precisando urgentemente de doacoes de sangue. Ela possui leucemia há doze anos e se internou esta semana para iniciar o tratamento de quimioterapia, pois o quadro clínico dela se agravou bastante nas últimas semanas...passou de uma leucemia crônica para aguda. Precisamos de 150 doadores, por isso peço que repassem para seus amigos e familiares. Quem nao uder doar ou estiver fora do Rio tambem pode ajudar ao repassar este apelo aos amigos e contatos na cidade.

Estão válidas as doações a partir de 03/11. Como o tratamento se estenderá por quinze dias, as doações poderão ser feitas neste intervalo, e os doadores podem ser de qualquer grupo sanguíneo.

Mais uma vez, obrigada!

Doar sangue é salvar vidas.

Local para doação de Sangue:

Hospital Beneficência Portuguesa

Rua Santo Amaro n° 80 – Primeiro Subsolo CTA – Glória – Rio de Janeiro

Paciente: Ermi Lusia Ribeiro Machado da Silva

Mãe da colaboradora Adriana Ribeiro Machado Da Silva

Tipo sangüíneo O+

Código: 66312


Telefone do Banco de Sangue: 21 2224-0945



Horário para doação: De segunda-feira a sexta-feira de 7:30 até 15:00

Sábado de 7:30 até 10:30

November 3, 2009

A Fe e a Coragem de Jose Alencar

Independente de posicao ou ideologia politica, eu tiro mesmo o chapeu para o nosso Vice Presidente Jose Alencar. Nunca vi ninguem tao otimista e corajoso na minha vida. Luta ha mais de dez anos contra uma doenca terrivel, ja realizou dezenas de cirurgias e jamais demonstrou medo ou revolta. E de uma forca de carater impressionante e contagiante.

E facil dizer que por ter condicoes financeiras, tem acesso aos melhores tratamentos, mas depois de acompanhar tantos casos, como o do Todd e o da Lilian, o acesso aos tratmentos nem sempre se traduz em aumento da expectativa de vida. E se torna a consciencia da familia mais tranquila, nao torna a vida do paciente menos penosa. So quem ja passou por isto entende o tamanho do fardo.

Nos ultimos meses, depois das partidas tao precoces de tantos amigos, confesso que fiquei desanimada e ate um pouco descrente. Jovens que lutaram e sofreram tanto, mas acabaram partindo. Dificil aceitar que jamais vou encontrar motivo ou explicacao. Dificil entender por que eles foram e eu fiquei.

Entao quando vejo atitudes como a do vice-presidente, que apesar da ardua e longa batalha que trava com esta doenca ha tanto tempo, peco a Deus que continue lhe abencoando, lhe dando a fe e a coragem que o fazem servir de exemplo para tanta gente. Rezo para que Deus aumente seu tempo por aqui, nao so por ele e seus familiares, mas pelas milhoes de pessoas que se espelham e se inspiram na historia de Jose Alencar.

November 2, 2009

Por onde andam os ativistas?

Estou decepcionada com o movimento jovem de combate ao cancer nos EUA. Acho inaceitavel que num momento crucial quando se debate a reforma do sistema de saude norte-americano, com a excecao de Lance Armstrong, ninguem tenha ainda se pronunciado. Acho covarde e inadmissivel que este grupo que vive se encontrando em eventos por todo o pais e ao redor do mundo ainda nao tenha tomado uma posicao.

Nestas horas entendo porque tenho uma certa aversao a estes tipos de organizacao. Como se diz por aqui, no final das contas grande parte delas acaba virando um clubinho ou panelinha e esquecendo dos objetivos que supostamente os uniram. Todo mundo adora dizer que faz e acontece na luta contra o cancer. Todo mundo adora contar uma historia triste. Mas na hora de fazer barulho e luytar por mudancas, a coisa muda de figura.

Apesar dos avancos da medicina e das estatisticas que insistem em dizer que as chances de cura de um pacinete de cancer sao de 75%, eu vejo um quadro completamente diferente. Nos ultimos dois anos, o indice de mortalidade entre as pessoas que conheci e muitos daqueles que se tornaram meus amigos e de quase 100%. Embora todos me digam que as chances de cura sao altissimas nao e isso que tenho visto, nem nos EUA, nem no Brasil. E claro que a minha amostra nao e nada cientifica, mas perder tanta gente num periodo tao curto de tempo doi demais. Sera que por algum motivo desconhecido, acabei me deparando justo com os 25% que nao tem tanta sorte assim?

Provavelmente nao ha explicacoes e se algumas vezes podemos dizer, com a consciencia tranquila, que tudo foi feito para salvar a vida do paciente foi feito, mas nem sempre e assim. Perder a Lilian foi um baque. Nao foi uma surpresa pois ja sabiamos da agressividade da doenca dela. Mas uma coisa me traz consolo e e justamente saber que ela teve acesso aos melhores medicos, a todos os tipos de tratamento e que lutou arduamente ate o final. A familia dela, embora arrasada, sabe que os medicos fizeram tudo o que podiam e esgotaram todos os recursos no tratamento dela. E claro que isto nao serve de consolo para ninguem, nao vai trazer a Lilian de volta, mas e um sofrimento a menos.

O mesmo nao pode ser dito no caso da Thalita ou no caso da Lilia Maria, que poderiam ter se beneficiado de procedimentos e tratamentos que jamais chegaram a acontecer devido ao descaso das autoridades e a burocracia que pode matar mais rapido do que a doenca. Mas nao acontece so no Brasil. Ontem a Elizabeth disse que esta trabalhando com um outro paciente, um jovem de 28 anos, casado e pai de um menininho. Ele e jovem mas sempre trabalhou e tem algumas economias guardadas. Tem seguro-saude do emprego, mas infelizmente o tal seguro nao paga todo o tratamento dele e como ele esta internado, nao se sabe quanto tempo vai poder manter-se empregado, sendo assim, ele ve todas as economias de sua familia se esvaindo para custear o tratamento.

E nestas horas me pergunto: por onde andam os ativistas? Sera que nem um pouco do dinheiro levantado em caminhadas/corridas/cocktails pode ajudar esta familia que apesar de tao jovem ja esta passando por tanto? Se estas organizacoes nao servem apra defender os direitos destes jovens e suas familias, entao servem para que? De celebridades instantaneas e acefalas o mundo ja esta cheio!

October 30, 2009

Lilian...

Ontem quando meu telefone tocou, vi o nome da Lilian, mas logo imaginei que nao fosse ela do outro lado da linha. Imediatamente pensei no pior. Nos ultimos meses, a doenca da minha amiga tinha se espalhado com uma furia impressionante e ela ficava cada dia mais fragil e mais distante, ja ciente da gravidade da doenca e do dificil prognostico. Lilian sempre teve muita fe, mas nunca perdeu a lucidez. Talvez por ser enfermeira de formacao, soubesse mais do que nos leigos.
Entao ontem a tarde, quando atendi o telefone, a voz nao era a da minha amiga, mas a de Danny, o marido da Lilian. “Dani, a Lilian faleceu agora a tarde e eu me senti compelido a ligar para voce para avisar, pois voce sempre esteve ao nosso lado nestes momentos tao dificeis,” ele foi logo me dizendo. Para falar a verdade nao sei o que me emocionou mais, a morte da minha amiga ou o gesto do marido dela, um homem jovem, mas muito serio e seco, na maioria das vezes. “Ela gostava muito de voce e voces tinham um laco forte, entao queria te avisar que o enterro sera no domingo, as nove da manha,” Danny continuou.
Perguntei a ele sobre os ultimos dias e ele disse que apesar de ter lutado muito, no final Lilian queria paz, que tenho certeza que agora encontrou. Penso tambem que ela foi ao encontro de seu pai, a quem tanto amava e que tinha partido ha menos de um ano, vitima da mesma doenca que levou Lilian. Muito cruel. Mas entao imagino que a minha amiga ja nao sofre mais. Imagino o encontro entre pai e filha e vejo o pai dela dando-lhe as boas-vindas e a levando pela mao para um lugar lindo, cheio de verde, cheio de luz e cheio de paz. Tenho certeza que e la que a Lilian esta.
Ela que tinha tantos planos, tatos sonhos. Ela, que no meio da quimio arrumava tempo para fazer trabalhos voluntarios. Ela, que planejava voltar a trabalhar como enfermeira na oncologia do hospital onde se tratava. Ela, que amava tanto ser mae que queria muito votlar a ser saudavel para dar ao Sebastian um irmaozinho... Mas infelizmente nao pode ser assim.
Penso em Danny, que apesar de jovem se portou o tempo todo como um homem sabio, ficando ao lado da esposa ate o final, deixando a vida em Miami para cuidar de Lilian perto da familia dela, em Baltimore. Penso em Sebastian, um menino de olhos ernomes e espertos, que vai crescer sem ter uma mae maravilhosa ao lado dele. Lilian era louca pelo filho, entao tenho certeza que de onde ela estiver, vai olhar por ele. Durante as sessoes de quimio, ela planejava a festa de dois anos dele, em julho, no unico periodo que ela teve de descanso entre quimios e cirurgias. Fico feliz por pelo menos ela ter podido realizar este ultimo sonho. Penso tambem na mae dela, uma mulher ainda jovem que aos poucos tenta se recuperar da perda do companheiro de 45 anos, e agora perde a filha mais nova. Rezo para que Deus console seu coracao, pois nao imagino dor pior. Espero que pelo menos Sebastian sirva-lhe de consolo e lhe de a esperanca para seguir em frente.
Ontem voltando para casa, me dei conta que todos os doentes aos quais me apeguei durante as visitas ao hospital ja partiram. Primeiro o Todd, depois a Monica e agora a Lilian. Fico tentando entender o motivo ... Pensamentos morbidos me vem a mente. Tenho medo. Mas ontem o Blake me disse uma coisa que me deixou um pouco mais em paz. “Deve haver uma razao para que voce os conhecesse, talvez voce tenha podido trazer a eles um pouco de esperanca e conforto no final.” De todos os motivos que encontrei, a explicacao do Blake e a que me faz sentir melhor. Nestas horas so posso imaginar que a missao dos meus amigos foi cumprida e que Deus resolveu assim os chamar mais cedo para o lado dEle.
Ironicamente o enterro da Lilian vai acontecer na manha de domingo, primeiro de novembro, meu aniversario e Dia de Todos os Santos. Apesar de seguirmos religioes diferentes, a nossa fe era muito parecida, entao tenho certeza que neste Dia de Todos os Santos, o ceu celebra a chegada de um anjo.
Va em paz, Lilian. Voce vai fazer mutia falta.

October 29, 2009

Halloween é o ....


Tenho um segredo para confessar. Correndo o risco de ser tachada de chata ou estraga-prazer, digo que detesto Halloween. Vivendo aqui nos States, isto tem o mesmo peso do que um carioca dizer que detesta carnaval. É mais ou menos por ai... Claro que guardadas as devidas proporcoes. Halloween nem feriado é, entao o martírio é ínfimo se comparado aos quatro dias de carnaval para os que detestam a folia do Momo.

Não sei muito bem o motivo desta minha aversão, mas desconfio que haja varios. Em primeiro lugar, morro de medo de almas penadas, bruxas, vampiros e tudo do gênero. Vi o Fantasma da Ópera quando pequena e quase surtei, até para terapia tive que ir. Twilight?! Estou fora, nem pensar, pra mim a vida ja e assustadora o bastante. Já vivo estressada naturalmente para que procurar razões sobrenaturais?

Também não gosto de me fantasiar. Acho que este tipo de coisa tem data de validade. É fofo em crianças, mas em raras exceções, em adulto parece coisa de retardado. Não nego que já tenha ido a muitas fantasias no Rio, estilo Tere Fantasy e coisa do tipo – aliás quem nunca foi a uma destas? Mas o stress de procurar fantasia é totalmente desnecessário. Nunca me esqueço de uma vez que aluguei uma fantasia pra mim e outra para a Andressa, uma dançarina de flamenco e outra de dançarina do ventre. No final, nós duas queriamos e mesma fantasia e quase saimos no tapa!

Mas acho que o grande trauma vem mesmo dos meus tempos em Nova York, quando a parada de Halloween acontecia na minha rua e justo na vespera do meu aniversário, quando eu sempre me organizava para o dia seguinte, comprando coisas para a festa. Alguém já experimentou atravessar a Sexta Avenida no meio da parada? Melhor nem tentar... Coisa infernal! Eu, que já sou estressada por natureza, morria de vontade de esganar todo Drácula ou Frankenstein que me aparecesse pela frente. Nem as simpáticas vaquinhas holandesas escapavam da minha ira...

Mas os anos foram passando e eu quase me esqueci desta minha implicância...até que voltei a morar aqui. E não é que hoje recebo um memorandum simpático da diretoria do emprego novo “convidando todos a vestirem suas fantasias amanhã”!

Ninguem merece...muito menos eu! Será o fim do meu inferno astral? ;)

October 28, 2009

Requiem de Um Sonho (Americano)

Ainda nao li todas as propostas de reformas para o sistema de saude norte-americano. Para ser sincera, duvido que algum dia eu venha a completar esta tarefa. Nao por falta de interesse, mas po falta de tempo para me dedicar a algo que merece uma analise mais do que cuidadosa.

Esta semana, a midia americana, que tinha declarado morta a opcao por uma alternativa publica, foi surpreendida com a declaracao do lider da maioria, que revelou que encaminharia a proposta com a tal opcao publica. Claro que ha criticos e ardentes defensores dos dois lados da questao.

Eu nao tenho condicao de julgar coisa nenhuma, mas a unica pergunta que me persegue e o que sera feito com as pessoas que nao podem obter cobertura de um plano de saude. Nao estou falando de imigrantes ilegais, ou de jovens ou trabalhadores de baixo nivel educacional cujos empregos nao oferecem tais beneficios, pois em teoria a unica coisa que os impede de ter acesso aos planos de saude existentes e o custo. Nao que isto nao seja um problema, e grave, mas a solucao ainda que dificil e obvia. Eles tem acesso aos planos, mas nao tem dinheiro para pagar a mensalidade, entao ha de que se criar planos de qualidade e preco acessivel que atendam este tipo de demanda mais do que justa.

O grupo ao qual me refiro se encontra em situacao ainda pior. Este grupo e formado de pessoas que se dispoem a pagar os precos muitas vezes abusivos dos tais planos, mas sequer tem esta opcao. Voces acham que este tipo de gente nao existe? E se eu disser que este grupo marginalizado e o grupo no qual me incluo? E a mais pura verdade. Eu, residente legal, com faculdade e mestrado realizados nos EUA, ex-bolsista do governo americano, que pago meus impostos em dia e contribuo para a economia deste pais, nao posso comprar um plano de saude individual se eu quiser. Repito, NAO POSSO. Mesmo que me disponha a pagar $1000 por mes, esta opcao nao existe para mim. Esta semana o plano de saude Blue Cross Blue Shield, que coincidentemente e o mesmo plano que tenho atraves de meu empregador, me enviou uma carta me explicando que devido ao meu historico medico, que inclui hepatocarcinoma nos ultimos dois anos, meu pedido de inclusao nao pode ser aceito. Sem mais. Passar bem.

Gostaria de dizer que fiquei surpresa, mas estaria mentindo. Tambem nao fiquei desesperada, pois afinal tenho outras opcoes. Mas a resposta do tal plano de saude me deixou ainda assim indignada. Me sinto enganada por todo mundo que um dia me disse que se eu estudasse e trabalhasse com seriedade poderia ser totalmente independente, me sustentando e tomando conta de mim mesma. Me senti ofendida ao perceber que em pleno seculo XXI eu tenho sorte de ser casada, e mais, de ter um marido que tem um bom emprego e boa cobertura de plano de saude. Coisa mais ridicula!

Entao imaginei um cenario um pouquinho diferente...so um pouco. Por um instante pensei que eu poderia estar aqui nos EUA ja com meu green card [que teria conseguido de qualquer forma ficando aqui no mesmo emprego por seis anos] mas estaria solteira. Depois de muitos anos de carreira, teria decido ter meu proprio negocio e trabalhar por conta propria, atendendo alguns clientes [o que ja fiz antes de receber meu work permit.] Tudo estaria indo muito bem, mas como autonoma, precisaria comprar um plano de saude individual, ja que sempre fui precavida, e...do dia pra noite descubriria que nao posso. Entao minha alternativa seria abandonar meu proprio negocio e tentar encontrar um emprego qualquer, por mais mundano que seja, que pudesse me oferecer os tais beneficios, como plano de saude. Entao acabaria ai meu tao sonhado “American Dream” .

E aquela historia de que todos sao iguais perante a lei? Parece que nao vale para os que um dica ficaram gravemente doentes...

E dificil entender como algo assim ainda possa acontecer em pleno seculo XXI. E triste demais.

October 27, 2009

Abandono

Nao e intencional, mas o blog tem ficado as moscas. Desde que votlamos da Espanha, parece que estou ligada numa tomada de 220W.

Depois de uma gripe sinistra que me pegou no meio da viagem, que ao que tudo leva a crer foi a Suina, ontem acabei indo ao medico com uma biata dor de ouvido. Ate entao estava bem calma, mas como ja tinham se passado duas semanas e nada de melhora, resolvi nao arriscar.

Depois de esperar pelo medico por duas horas -- Hello, SUS!!! -- o veredicto final: otite e uma baita crise alergica! Resultado: antibiotico por dez dias e Claritin na cabeca!!! Ai que saco! Detesto remedio! Vou ter que ligar pro Dr. Joaquim correndo, pois quando perguntei pra medica se a tal amoxixilina nao ia fazer meu figado explodir, ela me disse "Espero que nao." Fala serio, ne? Que medica e essa!!! E ainda me receitou Claritin ate marco!!! Nem pensar! Vou tomar esta semana pra melhorar minha sinusite e depois, see ya! Nao vou ficar escrava de remedio mesmo!!!

So quem e alergico -- coisa que fiquei depois de velha -- entende o drama. Chega o outono e a gente comeca e espirrar, nunca se sabe se e resfriado, alergia ou gripe...e mesmo assim resfriado e alergia vao se alternando e parecem nunca acabar...

Bem, fico por aqui porque o dia hoje esta punk. Sei que estou devendo emails a Deus e ao mundo, mas e que passei o findi arrasada e a semana comeca pesada, entao um pouquinho de paciencia por favor!

Depois volto com mais calma.

October 24, 2009

España -- Fatos & Fotos

Flamenco no meio de uma praça em Sevilha -- só podia ser Sevilha!

Sagrada Família -- dispensa legenda!


Vista do Parador que ficamos em Arcos de la Frontera, Andalucía


Barcelona ao entardecer...

Vista da Catedral de Barcelona

October 23, 2009

Giovanna


Ando muito sumida, mas entre viagem, emprego novo longe pacas e gripe, sobre muito pouco tempo. Este fim de semana prometo que faço umj update rápido.

Enquanto isto, não pude resistir e colocar a foto da minha sobrinha mais nova, a Giovanna, aqui no blog. Não é uma bonequinha?

October 17, 2009

Sevilla

m



Não pode se viajar pela Espanha sem se deixar levar pelos sentidos. Nada aqui pode ser descrito com exatidão, tudo é mais.

A Espanha é um lugar para ser experimentado, para ser vivido, para ser sentido na pele, como este sol andaluz, forte e intenso mesmo no meio do outono.

Os aromas deste lugar são inebriantes e estão por todas as partes, jardins, restaurantes e palácios, tudo tem um cheiro único e particular.

As paisagens são coloridas, vibrantes e parecem convidar o viajante a se perder nelas, viajando através de lendas e civilizações.

Os sabores são especiais e para mim tem um gosto especial de infância, de algo bom e pueril que ficou perdido em algum lugar mas que é aos poucos resgatado através desta viagem aos sentidos.

Tudo aqui é música, em cada esquina, de todos os gêneros. Desde uma velha cigana entoando uma canção típica no meio de uma rua deserta no Centro de Sevilla, até um violeiro solitário num beco perdido em Barcelona. Não se pode andar sem ser pego de surpresa pelo som de uma voz ou de um instrumento.

E por fim o toque, que aqui não se limita ao corpo, pois uma viagem à Espanha toca qualquer um na alma.

Ao que parece nesta viagem faço as pazes com a terra dos meus avós. Quando vim a Madrid, há mais de 10 anos, confesso que fiquei um pouco decepcionada. Talvez viesse esperando encontrar um pouco de mim, o que não acontenceu. Desta vez, acho que vim pensando mais em me perder e acabei me achando.

October 12, 2009

Unplugged...pero no mucho!





O Blake acabou trazendo o computador e cá estou eu postando diretamente do nosso quarto em Barcelona.

A viagem está sendo perfeita e tudo tem superado nossas expectativas -- desde a localização e o nível de conforto do hotel até a temperatura agradabilíssima.

A cidade é sensacional e tem uma energia impressionante, mas para mim o que faz esta viagem especial é estar aqui, no mesmo país de onde partiram meus avós há quase um século em busca de uma vida melhor.

Estar na Espanha é de certa forma uma volta à casa para mim. Não casa, no sentido de lar propriamente dito, mas uma jornada interessantíssima de volta às minha raízes. Quando a minha irmã passou umas semanas aqui há alguns anos, me lembro que ela disse "Estar na Espanha me fez entender muitas coisas sobre o papai."

Agora entendo completamente o que ela disse. Muito embora meus avós tenham nascido no outro extremo do país, vejo muito da personalidade deles e do meu pai aqui. É incrível como cultura transcende geografia. Nestas horas a gente percebe de apesar de passarem mais de cinquenta anos no Brasil, meus avós preservaram muito da cultura que trouxeram de casa.

Andando pelas ruas de Barcelona, não há como não sentir a presença do meu pai. Coisas que nos parecem estranhas ou desnecessárias no Brasil, aqui fazem todo sentido. A comida, sempre acompanhada de pão. Ovos acompanhando carnes e molhos, muitos molhos... A cultura espanhola é muito parecida com a portuguesa e de certa forma com a brasileira, mas ao mesmo tempo é tão única.

Imagino que o que vejo hoje seja um país completamente diferente da Espanha que meus avós deixaram para trás no início do século XX mas mesmo assim os cheiros, os sons e o ritmo da vida aqui me levam de volta a casa deles, um pedacinho da Espanha escondido num sobrado em Laranjeiras.

October 10, 2009

Espanha Unplugged

Não se trata de show ou disco novo e sim da minha viagem que começa daqui a pouco. Ontem, devolvi meu laptop e meu Blackberry e para minha surpresa em vez de me sentir triste, me senti leve e solta! Tive até pesadelo antes de entregar meus brinquedinhos, mas na hora H, foi mais fácil do que eu esperava.

Então vou tentar continuar assim, pelo menos pelos próximos dez dias. Não sei se o Blake vai levar o laptop dele, mas eu nem celular vou levar. Da última vez que tentamos ficar fora do ar, houve aquela coisa horrível com Dr. Joaquim, então me vi em alto mar acessando uma internet pré-histórica e pagando os olhos da cara, mandando emails pra Deus e o mundo e lendo jornal todo dia para saber que tinham reparado a injustiça. Pois é, graças à atuação leviana da PF, as minhas férias que seriam de descanso absoluto no mar do Caribe foram um stress só.

Mas agora se Deus quiser não vai acontecer nada bombástico nos próximos dez dias. Vou passar por aqui de vez em quando e se o Blake levar o laptop talvez coloque umas fotos. Então enquanto isto, vou passar a bola para meus cyberfriends... Quem quiser fazer alguma pergunta, ou sugerir um tópico para post, o espaço está aberto. Prometo que respondo na volta...

Então agora é com vocês. Vou terminar de arrumar as malas! O próximo post dever ser direto da terra dos meus avós, España! Fico toda arrepiada só de pensar que vou estreiar meu passaporte...Ai, como sou cafona!!!

October 9, 2009

Obama, me chama que eu vou!

Ontem comentando com uma colega de trabalho sobre a recusa que recebi do plano de saúde, ela disse imediatamente: "Está vendo por que quando a hora chegar eu vou lá para Washington marchar a favor da reforma da saúde? Você é a primeira pessoa do meu círculo que me relata uma coisa destas, mas tem muito mais gente por aí," disse Allison, que normalmente é uma das pessoas mais calmas e ponderadas que conheço. "E ainda tem aquela gente idiota que faz escândalo nos town-hall meetings," ela emendou.

E ali, naquele momento, tive certeza absoluta de que lado eu estava. Claro que sempre fui e serei a favor da reforma deste sistema de saúde tão perverso, mas sem ler as mais de mil páginas do tal documento, simplesmente não me sentia à vontade de tomar uma posição mais clara, ou seria radical? Ontem, mais uma vez, vi que eu havia tomado esta posição há muito tempo, só não tinha enxergado isto ainda e conversando com a Allison ficou tudo muito claro.

Voltei para o escritório e recebi o email da Melody, uma mulher de 56 anos que descobriu há pouco um câncer no fígado e buscava alguém que tivesse passado por experiência parecida. Ligou para a Immerman Angels, organização do Jonny, e recebeu meus dados de contato.

Melody me conta que recentemente descobriu ser portadora do vírus da hepatite C, que causou-lhe cirrose hepática que evoluiu para câncer. Ao que tudo indica, sua única salvação é um transplante, mas pelo tamanho e localização do tumor, não é possível/indicado. Só lhe resta então tentar radioterapia/quimioterapia para tentar diminuir o tamanho do tumor para depois quem sabe poder pleitear o transplante. Mas apesar de ter plano de saúde, o pedido de seu médico foi NEGADO!!!! Melody então me pergunta como ficar otimista numa situação destas!

Como?! Ficar otimista quando pessoas sórdidas e mesquinhas lhe negam o direito de viver?! Não faço a menor ideia! Enfrentar uma doença como esta sem perder a cabeça já uma tarefa e tanto. Enfrentar esta doença e ainda ter que lidar com a crueldade de terceiros é missão impossível. A que ponto chegam a ambição e pequinez do ser humano?!

Quando o assunto é saúde e principalmente o acesso a ela, saio do sério. Claro que percebo o quanto tenho sorte em todos os sentidos -- tive um tumor que pode ser ressecado, minha família tinha condições financeiras para custear o tratamento, o seguro-saúde nos reembolsou boa parte das despesas. Infelizmente a maioria das pessoas não tem a mesma sorte.

Então pensei num cenário um pouquinho diferente: eu, solteira, perco meu emprego ou saio dele para realizar o sonho de começar meu próprio negócio de consultoria de comunicação e marketing, por exemplo. Eu, que sempre ouvi dos meus pais que poderia fazer tudo que eu quisesse, que estudei, que trabalhei sério, que sempre acreditei que com instrução e competência seria capaz de tomar conta de mim mesma, me sustentar e viver a vida que sonhei para mim, de repente percebo que nada disto é verdade. A verdade é que por algo completamente alheio a minha vontade, por algo do qual não tive a menor culpa, serei eternamente presa a um emprego, por mais desisteressante que seja, que me dê os tais benefícios, como plano de saúde, de preferência um bom, que cubra os tantos exames e consultas que faço a cada ano. A verdade é que mesmo disposta a pagar uma fortuna por algum tipo de cobertura médica, nenhum plano irá me considerar por causa daquele famoso "C" que eu levo no meu boletim.

E nestas horas o mundo me parece mesquinho e pequeno demais. Injusto e desigual. Felizmente não preciso me preocupar tanto assim com o tal plano de saúde, pois tenho algumas alternativas, mas milhares de pessoas como a Melody não tem. Milhares de americanos tem planos de saúde mas são reféns deles quando realmente precisam dos recursos mais avançados. Outros milhares -- ou seriam milhões -- sequer tem plano, pois seus empregadores não oferecem. Como aqui não há SUS, só que está abaixo do nível de pobreza se qualifica para o Medicaid, assistência do governo, e Medicare é só para idosos. Claro que tem muita gente, incluindo imigrantes ilegais, que abusam do sistema, mas como sempre a grande maioria acaba sendo prejudicada por uma minoria irresponsável.

Ainda não entendo completamente as propostas de reformas do sistema de saúde, mas só sei que do jeito que está não pode ficar. É por estas e outras que agora só aguardo o chamado. Obama, quando chegar a hora de marchar em Washington, me chama que eu vou!

October 8, 2009

O Outro Lado do Sistema de Saúde Americano

Ninguém me entende quando eu digo que AMO o meu plano de saúde aqui nos States. O plano na verdade não é meu, sou dependente do Blake, que como funcionário público federal tem a melhor cobertura e a maior opção de planos de saúde existentes no país. O nosso plano, exclusivo de funcionários do Governo Federal, foi uma mãe na época da minha cirurgia e cobre quantos exames de controle eu precisar, tudo sem pedido de clínico-geral, como muitos planos exigem aqui. Só tem uma coisa que o plano não cobre: tratamento para infertilidade.

Então há pouco tempo, resolvi também optar por um plano de saúde oferecido aos funcionários do Estado de Maryland que oferece este tipo de cobertura. Com 35 anos e só agora podendo começar a tentar engravidar, melhor prevenir do que remediar. Só que como NADA na minha vida acontece como planejado, o projeto ao qual meu trabalho estava vinculado simplesmente acabou e todo mundo aqui recebeu um aviso prévio de 90 dias, como é previsto por lei, então no dia 24 de dezembro -- Feliz Natal, você está desempregado! -- vai todo mundo pra rua.

Como também não sei ser passiva e esperar as coisas caírem do céu -- até porque pra mim parece que elas jamais caem! -- me adiantei, mandei uns CVs, fiz uma entrevista e recebi uma proposta de emprego melhor no mesmo dia que recebi a carta de demissão. Incrível! E apesar das promessas da minha chefe de me vincular a outro projeto/grant, cansei desta brincadeirinha e resolvi pular fora! Amanhã é meu último dia aqui.

Com a viagem para a Espanha no sábado, começo no novo emprego no dia 21 de outubro, assim que chegar. Ainda bem que não costumo sofrer com jetlag. Tudo parece ótimo, menos o plano de saúde deles -- bem básico! -- então resolvi tentar comprar um plano individual por minha conta. Até aí, tudo bem, só que tive que preencher um questionário para que minha proposta fosse avaliada. Normalmente a reposta deles leva umas três semanas, mas para minha surpresa, recebi o email em menos de 24 horas. Resposta: seu pedido foi negado!

Não preciso ser Albert Einstein para entender que um único quadradinho pode ter estragado a minha festa. Câncer?! Nos últimos dois anos?! Pois é, aparentemente não sou saudável o suficiente para comprar uma apólice individual. Diz o email que dentro de 10 dias úteis vou receber uma carta me explicando os motivos e que depois disso posso apelar. Sei não... Se já começou complicado antes mesmo de eu virar cliente, algo me diz que é melhor eu deixar de lado e pensar numa outra alternativa.

Pois é, hoje vi a cara feia do sistema de saúde americano. Confesso que não fiquei nem surpresa nem chateada. C'ést la vie. Graças a Deus pelo plano do Blake!