June 18, 2009

Lições

E finalmente percebi que no final, o trabalho voluntário não era para o Todd mas para mim...

Nestas últimas semanas tive a minha fé testada, pois muitas vezes ao rezar me perguntava o que estava fazendo, implorando a Deus que fizesse a minha vontade e não a dEle muitas vezes. Pedindo que prolongasse o sofrimento do meu amigo que já tinha lutado mais do que o suficiente. Durante muitos dias senti um vazio enorme no meu peito, que aos poucos foi dando lugar a paz. Claro que ainda alterno momentos de tristeza profunda, maso que me consola é a certeza de que o Todd está num lugar melhor...que é mais um anjo de cachos dourados e olhos azuis.

Hoje ao entrar no quarto dele, fiquei surpresa ao vê-lo lá ainda, sereno, mas já sem vida. Não havia ninguém no quarto, por um instante me sento cimo uma estranha perturbando o descanso dele, até que a Carmi saiu do banheiro. "Preciso manter alguma compostura," ela disse ao me ver. Fui ao encontro dela para abraçá-la e disse que agora o Todd tinha ido em paz.

O ambiente era de paz absoluta. Todd parecia dormir um sono profundo, o sono dos justos. A minha reação me surpreendeu bastante pois o fato de vê-lo ali sem vida não me chocou nem um pouco, pois sabia que meu amigo já tinha partido. Conhecer o Todd me ajudou a entender a separação entre carne e espírito, corpo e alma. Se de tanto lutar, o corpo dele já estava completamente depauperado, o espírito continuava intacto, ele continuava gentil e otimista, ainda que ciente da gravidade da doença. O comentário geral no hospital é que o Todd jamais se queixou, nunca reclamou, nenhuma vez questionou -- dos médicos às meninas da faxina, todos são unânimes ao dizer isto.

A Carmi me disse que na noite anterior, o padre tinha rezado com ela e o Todd apesar de não dizer nada, prestava atenção. Pouco tempo depois, entrou numa espécie de coma e não voltou mais. Era como se estivesse esperando algo.

Ontem à tarde, ficou claro para mim que ele não estava mais ali, que ele já estava fazendo a passagem, que o espírito dele se encaminhava para algum lugar, mas seu semblante era de muita calma, o que me trouxe um certo conforto. Depois que saí do quarto, a enfermeira e o médico que cuidaram dele entraram. Dr. Agpak era o preferido da família. Angela, a enfermeira, conversou com o Todd e disse a ele o quanto todos ali o amavam. Dr. Agpak, com um nó na garganta, pediu desculpas ao Todd por não ter podido fazer mais e conseguiu dizer baixinho "Te amo, Todd." A Angie estava no quarto e viu tudo. Só o Todd mesmo para fazer um médico da unidade de TMO chorar.

O grande medo da Carmi era que o Todd fosse sofrer mais ainda na hora da partida, mas felizmente não foi isto que aconteceu. Ela disse que abraçou o filho e disse a ele que já havia chegado a hora, que ele poderia ir e que todos iam ficar bem. Ela perguntou a ele se ele tinha visto o rosto de Deus, mas ele não respondeu, não podia mais. Sendo assim, ela foi ao banheiro lavar o rosto e quando voltou percebeu logo que o Todd já não estava mais ali, era só o corpo tão sofrido que havia ficado, a casca, pois seu espírito estava enfim liberto. Tenho certeza que o Todd não só viu o rosto de Deus, mas que ele está junto ao Pai neste instante.

O Todd e a família foram e serão para sempre uma grande inspiração para mim. Vou guardar no meu coração muitas lembranças deles e as lições aprendidas ao longo dos últimos três meses.

Acho que este trecho bíblico resume bem a trajetória do Todd, que apesar de breve não poderia ter sido mais bonita:

"Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé..." Timóteo 4:7

6 comments:

paula said...

Dani,

Não foi somente você que aprendeu com essas pessoas, eu também, mesmo que de muito longe, me apeguei demais a eles, recebendo seus e-mails e de uma certa forma me sentia também conectada a ele.
Me sentí imensamente recompensada quando enviei a carta ao Todd, pensei "poxa valeu mesmo a pena eu ter vivido, estou podendo dar esperança a alguém, mesmo que de muito longe, minha história vai servir de motivação", mas infelizmente as coisas não são como a gente imagina...
Ele com certeza está em paz!!
Mia uma vez, toda minha admiração pela mãe dele e principalmente por você Dani!!

Beijos e que Deus dê o conforto neste momento.

Paula

Ana Luisa said...

Dani,

Leio seu blog diariamente e sempre tiro lições para minha vida.
Os relatos de seu amor e dedicação ao Todd e sua família sempre me deixavam emociada e muito feliz.
Neste momento tão difícil peço a Deus que conforte todos os corações tristes com tamanha perda.

Receba um abraço carinhoso de quem te admira cada dia mais!
Bjssss
Ana Luisa

Ana Luisa said...

Dani,

Leio seu blog diariamente e sempre tiro lições para minha vida.
Os relatos de seu amor e dedicação ao Todd e sua família sempre me deixavam emociada e muito feliz.
Neste momento tão difícil peço a Deus que conforte todos os corações tristes com tamanha perda.

Receba um abraço carinhoso de quem te admira cada dia mais!
Bjssss
Ana Luisa

Dani said...

Paula & Ana,

Obrigada pelas palavras de carinho. Tenho certeza que o Todd está num ótimo lugar e rezo para que Deus conforte os corações dos familiares dele, que já sofreram tanto.
Bjs

Ana Claudia Lintner said...

O meu abraco, Dani.

excorde said...

Terminei de ler com lágrimas nos olhos! Dani,não nos conhecemos mas vira-e-mexe dou um pulinho aqui. Me identifico muito com os seus textos! Tive um "turning point" na minha vida através da morte, que é diferente da sua experiência, mas que traz muitos pensamentos em comum. Lindo trabalho com o Todd, lindo post!