October 16, 2008

Nossa Senhora Aparecida




Pois é, passou o dia da santinha e eu nem falei anda aqui. Mas foi domingo e eu fui à missa e rezei muito. Aliás, depois de cada pancada que levo acabo virando mais carola. Bem, carola é modo de dizer, pois quem me conhece sabe que detesto gente xiita que se acha certo e quer impor suas crenças e opiniões goela abaixo. Isso não é comigo, sou avessa à repressão e sempre tive muito orgulho de ter a minha própria opinião, mesmo que fosse contrária a todos. Nunca fumei cigarro num ato de rebeldia contra meus pais, fumantes inveterados que me mandavam comprar cigarro desde que me entendo por gente! (Pai, sei que você vem aqui bisbilhotar de vez em quando, mas o blog é meu e eu falo o que eu quiser!!! Hahahaha) Por falar no meu pai, ele parou. Já a minha mãe... Well, a minha mãe é a minha mãe. Também nunca fumei maconha ou usei nenhuma droga ilícita porque praticamente TODOS os meus amigos usavam ou usam e eu SEMPRE quis ser diferente, mesmo quando diferente era sinônimo de careta!

Mas voltando à santinha aqui... Pois é, não sou fanática religiosa, mas tenho muita fé em Deus e respeito todas as religiões. Acho que o que importa mesmo é a pureza de coração e a bondade das ações. O resto é o resto. Mas a minha educação sempre foi católica apostólica romana, não muito rígida, mas baseada nos fundamentos da religião. Meus pais nunca foram de ir à igreja quando eu era mais nova, mas a minha mãe tornou-se mais religiosa há uns quinze anos mais ou menos. Passou a ir à igreja direto e carregava meu pai junto. Às vezes arrastava a gente também, muito a contragosto.

Quando fiquei doente em 2002, foi um tal de todo mundo fazer promessa para tudo que é santo. Teve reza em todas as igrejas católicas e protestantes, sinagogas, centros espíritas, reuniões budistas, hinduístas...teve tudo! E o melhor foi que tanta reza surtiu efeito, caso contrário não estaria aqui escrevendo estas linhas.

Obviamente eu sabia das orações, mas das promessas não fazia a menor idéia. Então depois de fazer a minha última quimioterapia em 2003, a minha mãe e a Socorro, nossa fada madrinha, me disseram que tinham feito promessas a Nossa Senhora Aparecida e que tinham que ir lá pagá-las. Não sei se elas prometeram que eu tinha que ir também, mas acabei indo, afinal era mais que justo.

Então fomos todos lá: minha mãe, Socorro, meu pai, minha irmã Andressa, o (coitado do) Léo, que na época era ainda namorado dela e hoje é marido e eu. Vou poupá-los dos detalhes sobre as acomodações, mas digo que NUNCA se deve confiar somento em site de hotel/pousada. A experiência foi um tanto surreal, mas o saldo foi positivo.

E depois deste milagre, muitas outras promessas foram feitas e muitas outras viagens a Aparecida foram feitas pela família Duran, que às vezes era até acompanhada por amigos não-religiosos e não-católicos!

A história de fazer promessa à Nossa Senhora Aparecida ficou. Um casal judeu de amigos dos meus pais visitou o santuário quando acompanhavam meus pais a Campos de Jordão. Meses depois, pediram para voltar lá pois tinham que pagar uma promessa feita! O meu irmão Rodrigo também teve que dar as caras lá depois que o Fluminense foi campeão -- não me perguntem de que e nem quando! Mas que ele foi, foi.

Obviamente depois de saber que eu precisaria de nova cirurgia, o povo todo foi de novo encher o saco da santinha e lá foi a família toda para Aparecida, dias antes do Natal do ano passado. Foi todo mundo, inclusive o Blake, que também não é católico. Rezamos, deixamos o tal fígado de cera mais uma vez na sala dos milagres, assistimos a missa e voltamos para casa.

O fim da história todo mundo sabe. A cirurgia foi perfeita, estou muito bem graças a Deus e...agora em dezembro temos que voltar lá!!! Como o Blake chega ao Rio uma semana depois de mim, já fui dizendo para ele que a gente ia para Aparecida antes dele chegar para que ele não tivesse que ir lá de novo. Foi então que ele me falou “Tenho que ir lá também!!!”

Agora acabo de ler uma mensagem de um amigo superíntimo e nada católico que termina assim. “Rolou! Agradece aí aos seus santos todos. Vou a Aparecida. Quando você vier, podemos ir juntos.”

Acho que se continuar assim, desta vez vou ter que alugar um ônibus! E eu que agora já ia dar um descanso para a santinha, resolvi pedir uma forcinha mais uma vez. A verdade é que 2008 está sendo uma barra, mas vai passar. Vamos começar a contagem regressiva!

3 comments:

Fernanda - www.fernandafranca.com said...

Você também??? Foi pra Ela que pedi quando tive consciência do que se passava comigo na UTI e todos os anos desde então (2003) eu e meu marido vamos à Aparecida. rsrsrs beijos, querida.

Cristina said...

E pode adicionar mais uma coisa na sua história com a Santa - a minha amiga do trabalho que rezou muito por vc colocou sua foto em baixo de uma imagem de quem? (se não me engano!). Lindo o Blake exigir ir tb...seu post me dá esperança de que ainda há bons valores no mundo. Tô muito chocada com a história da Elloah. Já imaginou se todo mundo que a gente não quiser namorar mais, sair, jantar fora, começar assim? Por trás da crise da bolsa, tem algo muito pior - uma crise de valores - onde vamos parar???

Ontem estive com Mich, Ju, Patricia, Ryan, Kecia e falamos de vc - ficaram felizes de saber da sua casa, da sua avó etc... Que bom que vc volta em Dezembro! :-)

Andréa N. said...

Dani, mudando de assunto, pra sua coluna de noivas, olha o que vi (lembrei de vc):
http://casa.abril.uol.com.br/materias/moveis/mt_351747.shtml