September 15, 2008

Sem Noção



Tinha até jogado a carta fora mas depois que me dei conta do absurdo, pelo menos a meu ver, do pedido, resolvi fazer um post só para falar sobre isso.

Há uns dias o Blake me disse que tinha chegado uma carta de Hopkins para mim. Normalmente eles mandam uma carta para confirmar ou cancelar a consulta, então não achei nada tão estranho assim.

Mas não era isto, pelo menos até agora minha consulta ainda não foi cancelada...Quando vi do que se tratava, um pedido de doação, já tratei de descartá-lo de cara, mas ao ver o anexo quase tive uma crise de riso. Nunca vi tanta falta de tato.

Para quem não sabe, sou paciente da unidade de fígado do Hospital Johns Hopkins, diga-se de passagem o MELHOR hospital do mundo, com direito a programa de tevê em rede nacional e tudo. Tenho certeza que meu prontuário lá deve dizer algo assim: “Paciente de 34 anos, câncer hepático tipo fibrolamelar, cirurgia em 2002, recidiva em 2007, nova cirurgia em 2008; tumor totalmente removido. Acompanhamento clínico a cada três meses.”

Não sei que tipo de data-mining eles usam para mandar mala-direta, mas perguntar a uma paciente de trinta e poucos anos se ela quer incluir Johns Hopkins Medicine no seu testamento é de uma falta de gosto tremenda!!! Tive que rir para não chorar de raiva.

Sei que estamos na Terra do Tio Sam, do capitalismo selvagem, dos grande fundraisers, mas perguntar a uma paciente que está juntando dinheiro para comprar casa e planejando a aposentadoria para daqui uns 30 anos, se ela deseja incluir um hospital riquíssimo no testamento que ela nem tem, parece coisa de louco.

Será que se eu incluir o hospital no meu testamento, meu atendimento vai melhorar, ou eles vão querer que eu morra mais rápido para só assim colocarem a mão nos meus parcos trocados? Por via das dúvidas, decidi que ainda não vai ser agora que o famoso Hospital de John Hopkins vai entrar na minha listinha de beneficiários. Nunca desmerecendo o trabalho brilhante da equipe médica, que se Deus quiser, não vai precisar encostar o bisturi em mim, mas é que ainda tenho muita coisa para fazer antes de pensar em quem vai herdar a minha fortuna que sequer foi construída... Pois é, Hopkins que me desculpe!

5 comments:

R.C said...

Ixi... Mesmo na Terra do Tio Sam algo desse genero eh realmente risivel, para nao dizer choravel.

pau na maquina!

bjx

Roy

paulaalves00 said...

Tô boba... Como diria meu marido: "Gente do céu..."

Dri - Everywhere said...

Cruz credo!
Mas oque o Blake achou disso? Porque acho que pros americanos fazer testamento super novos eh normal. Eu fiquei de queixo caido quando (no dia seguinte do casamento) a mae do meu marido falou pra ele: "Nao esquece de atualizar logo seu testamento e trocar as baneficiarias: quem tem que "herdar" seu apartamento eh a Adriana nao eu".
Nao sei oque me deixou mais chocada: O fato de que ele tem um testamento desde seus 20 e poucos anos, ou no fato da mae dele ter mencionado MORTE no dia seguinte do casamento!

Dani said...

Pois é, até pode ser um pouco cultural, mas falando com meus amigos gringos aqui, todo mundo concordou que o negócio é meio cafona. Pensando bem deve ter bebezinho na UTI neonatal recebendo a "simpática" missiva. O povo americano é prático e leva a história do testamento a sério, mas atacar o bolso dos pacientes que ainda têm que trabalhar pra pagar conta...acho demais!

Anonymous said...

Eu acho que as pessoas daqui estao perdando a nocao de tudo.Trabalho em um centro Comunitario no Arizona e fico chocada em ver pessoas com carroes virem pedir caixas de comida. As escolas estao sempre pedindo doacoes e recebem toneladas delas, mochilas, lapis de cor, etc..Os alunos nem sabem mais o que fazer com tanta coisa. Me da uma dor no coracao de lembrar das criancas do Brasil,onde dei aula, que muitas vezes nem tinham um lapis preto para escrever.Por isso, a menos que eu saiba realmente da sitiacao da pessoa, eu nao faco doacoes neste pais.

Angeles