October 28, 2009

Requiem de Um Sonho (Americano)

Ainda nao li todas as propostas de reformas para o sistema de saude norte-americano. Para ser sincera, duvido que algum dia eu venha a completar esta tarefa. Nao por falta de interesse, mas po falta de tempo para me dedicar a algo que merece uma analise mais do que cuidadosa.

Esta semana, a midia americana, que tinha declarado morta a opcao por uma alternativa publica, foi surpreendida com a declaracao do lider da maioria, que revelou que encaminharia a proposta com a tal opcao publica. Claro que ha criticos e ardentes defensores dos dois lados da questao.

Eu nao tenho condicao de julgar coisa nenhuma, mas a unica pergunta que me persegue e o que sera feito com as pessoas que nao podem obter cobertura de um plano de saude. Nao estou falando de imigrantes ilegais, ou de jovens ou trabalhadores de baixo nivel educacional cujos empregos nao oferecem tais beneficios, pois em teoria a unica coisa que os impede de ter acesso aos planos de saude existentes e o custo. Nao que isto nao seja um problema, e grave, mas a solucao ainda que dificil e obvia. Eles tem acesso aos planos, mas nao tem dinheiro para pagar a mensalidade, entao ha de que se criar planos de qualidade e preco acessivel que atendam este tipo de demanda mais do que justa.

O grupo ao qual me refiro se encontra em situacao ainda pior. Este grupo e formado de pessoas que se dispoem a pagar os precos muitas vezes abusivos dos tais planos, mas sequer tem esta opcao. Voces acham que este tipo de gente nao existe? E se eu disser que este grupo marginalizado e o grupo no qual me incluo? E a mais pura verdade. Eu, residente legal, com faculdade e mestrado realizados nos EUA, ex-bolsista do governo americano, que pago meus impostos em dia e contribuo para a economia deste pais, nao posso comprar um plano de saude individual se eu quiser. Repito, NAO POSSO. Mesmo que me disponha a pagar $1000 por mes, esta opcao nao existe para mim. Esta semana o plano de saude Blue Cross Blue Shield, que coincidentemente e o mesmo plano que tenho atraves de meu empregador, me enviou uma carta me explicando que devido ao meu historico medico, que inclui hepatocarcinoma nos ultimos dois anos, meu pedido de inclusao nao pode ser aceito. Sem mais. Passar bem.

Gostaria de dizer que fiquei surpresa, mas estaria mentindo. Tambem nao fiquei desesperada, pois afinal tenho outras opcoes. Mas a resposta do tal plano de saude me deixou ainda assim indignada. Me sinto enganada por todo mundo que um dia me disse que se eu estudasse e trabalhasse com seriedade poderia ser totalmente independente, me sustentando e tomando conta de mim mesma. Me senti ofendida ao perceber que em pleno seculo XXI eu tenho sorte de ser casada, e mais, de ter um marido que tem um bom emprego e boa cobertura de plano de saude. Coisa mais ridicula!

Entao imaginei um cenario um pouquinho diferente...so um pouco. Por um instante pensei que eu poderia estar aqui nos EUA ja com meu green card [que teria conseguido de qualquer forma ficando aqui no mesmo emprego por seis anos] mas estaria solteira. Depois de muitos anos de carreira, teria decido ter meu proprio negocio e trabalhar por conta propria, atendendo alguns clientes [o que ja fiz antes de receber meu work permit.] Tudo estaria indo muito bem, mas como autonoma, precisaria comprar um plano de saude individual, ja que sempre fui precavida, e...do dia pra noite descubriria que nao posso. Entao minha alternativa seria abandonar meu proprio negocio e tentar encontrar um emprego qualquer, por mais mundano que seja, que pudesse me oferecer os tais beneficios, como plano de saude. Entao acabaria ai meu tao sonhado “American Dream” .

E aquela historia de que todos sao iguais perante a lei? Parece que nao vale para os que um dica ficaram gravemente doentes...

E dificil entender como algo assim ainda possa acontecer em pleno seculo XXI. E triste demais.

8 comments:

Cristina said...

Dani,
excelente seu texto. Indignada seria a palavra para substituir a desesperada.
Estava com saudades.
bjs

Helene said...

Oi Dani,
Me identifico muito com seus textos pois afinal eu moro na França, me formei na universidade aqui e sou casada com um francês! é interessante ver que temos uma visao da vida bem parecida talvez pq somos brasileiras, nao sei...o fato é que muitas coisas me chocam tb! Atualmente estamos comprando uma casa e para obter o financiamento temos que completar um formulario de saude para o seguro do financiamento, eu e meu marido nunca fomos hospitalizados a agradecemos muito por isso, mas nessa hora fiquei indignada e pensei em você e todas as pessoas que um dia tiveram problemas graves de saude sao privadas de serem um dia proprietarios, de obter um plano de saude justo! Um grande paradoxo pois sao justamente as pessoas que precisam de mais auxilio afinal a gente nao escolhe ter problemas graves de saude e imagino o quanto a gente deve se sentir desamparada caso nao tenhamos outras opçoes!
Abraços

Dani said...

Cris,
Eu tambem!!! Adorei as fotos da Grecia no blog. Parecem postais!

Helene,
Obrigada pela visita e eplo comentario! Bem-vinda!
Incrivel, ne? Numa epoca que so se fala em direitos humanos, parece que ninguem percebe o quanto pessoas comuns podem ser marginalizadas de uma forma tao covarde.

Bjs

Paula said...

Oi Dani,

É incrível mesmo uimaginar essa situação, agora eu não sou diferente de voc~e não, eu tive um plano excelente de saude até meus 26 anos, dependente do meu pai, que era Diretor de RH do Santander, mas no momento que ele saiu do banco.... Foi um drama para eu conseguir permanecer na mesma seguradora, mas com um plano individual, sabe porque? porque eu já tinha feito o transplante de medula, acredita? Era a mesma empresa!!! Mas não queriam me aceitar, se não fosse uma tia do Neto que tem um grande conhecimento na presidencia da companhia, eles não teriam me aceitado, e olhe que a Presidente era super hiper mega amiga do meu pai, só porque ele não estava mais no banco eu não tinha mais direito a ter um plano de saude? E pago uma fortuna!!
É demais, não é? Agora temos culpa de termos ficado doentes um dia!!

Bjs,

Paula

Silvia said...

Oie Dani, qto tempo!
Ando tão enrolada com as reformas e com o casamento - faltam 3 dias - que não tenho tido muito tempo de ler e comentar em todos os blogs.
Mas eu vim aqui agradecer pela minha cerionialista, e não fosse você me apresentar a editora e se preocupar que eu ainda não tinha uma, eu não teria conhecido a Tátta. Ela é maravilhosa e obrigada por colocá-la no meu caminho =)
Espero que a viagem para Espanha tenha sido FABULOSA, pq você merece um descanso =)

Beijocas!!!!!!

Dani said...

Paula,
Inaceitavel! Sabe que ate o Lance Armstrong passou por isto? So conseguiu cobertura porque um dos patrocinadores dele, a Oakley, disse que se o plano nao cobrisse o tratamento do Lance, a empresa iria rescindir o contrato do plano-empresa!
Isto acontece a torto e a direito e ninguem fala nada....

Silvia,
Puxa, que legal te ver aqui. Agora, menina, trate de descansar e se desligar de TUDO! Sabado e seu dia!!! O destino e incrivel, ne? Nos conhecemos naquele dia, te apresentei pra Rosangela que te apresentaou pra Tata -- que bom que os anjos conspiram a favor das pessoas boas.
Beijos e depois me mande MUITAS fotos!
Tudo de bom pra voces e sejam muito, mas muito, felizes para sempre!

Barbarella said...

Dani, seu texto é um wake up call para quem não tem idéia da REALidade. Mesmo morando nos EUA, mesmo vivenciando um pouco disso tudo aqui, eu jamais tinha visto a questão da saúde por esse ângulo e como as coisas realmente se colocam na prática! É injusto, é feio, nada digno! Obrigada por abrir meus olhos e me sensibilizar para a causa.

Dani said...

Barbarella,
Obrigada pela visita.
Estas coisas sao engracadas, ne? A gente acha algum problem tao distante, tao longe de nos...ate perceber que ele aflige alguem do nosso circulo e de certa forma passa a ser nosso tambem.
Bjs