March 25, 2009

Cancercard


Me disseram que eu tinha direito de usar, mas a idéia sempre me soava mórbida demais. Usar a doença para conseguir desconto, benefícios ou para fins econômicos sempre me pareceu muito estranha. Meus pais sempre disseram que poderia dar azar. “para que?”, eles perguntavam “você já está boa, sua vida é idêntica a de antes, então não tem motivo para usar isto para nada. Fiquei bem tentada com a história de isenção de imposto no carro, mas como graças a Deus não fiquei com nenhuma sequela, deixei para lá. Melhor usar o benefício quem realmente precisa.


Mas o cancercard também pode ser usado em situações banais do dia a dia. É um benefício que te dá a vantagem instantânea e imediata e ninguém tem direito a questionar a validade dele. Você pode usar o cartão dentro de casa, quando não quiser lavar os pratos ou levantar móveis pesados ou na rua, ao recusar convites para alguns programas de índio. Afinal com saúde não se brinca...não é isso que diz o povo? Uns dizem que o cancercard (primo doente do Mastercard Platinum) tem prazo de validade, outros juram que é um benefício para a vida toda. Acho que depende do caso. Eu, para falar a verdade, sempre usei muito pouco o meu, mas às vezes me dava uma vontade...

Claro que uma vez ou outra digo que tive câncer só de maldade. Mas só faço isto para assustar algum inconveniente sem noção, como o amigo da minha amiga que, ao perceber que, ao contrário de todos da mesa, eu não estava bebendo (álcool), começou a me chamar de pinguça e a sugerir que eu tinha cirrose (como se isto fosse engraçado!). Sorri amarelo para ver se ele ficava sem graça, mas o engraçadinho continuou, até que eu não me contive mais e disse. “Não é cirrose não! O que eu tive foi câncer e de fígado!” O cara ficou pálido e olhava para mim como se tivesse à frente de um fantasma. “Ué, sempre ouvi falar que câncer no fígado matava!,” tentou se explicar. Ao que respondi, “Mata sim, mas eu continuo aqui bem vivinha. Só não tomo muita birita.”

Não consigo explicar mas senti um prazer enorme ao ver a cara de babaca do indivíduo. Só por isto já valeu. Quando falo da doença que tive, não quero que ninguém tenha pena de mim. Também não quero ser venerada em pedestal, pois acho que fiz o que qualquer ser humano normal faria: lutei para conservar a única vida que tinha. E mais do que isto, decidi que aquela experiência seria uma forma de aprendizado e a usei como uma força transformadora. Acho que tenho tido sucesso.

Semana passada, liguei para marcar a minha primeira sessão de acupuntura aqui, no mesmo lugar que faço yoga, um centro fantástico de medicina complementar. Ao conversar com a recepcionista, precisei dar algumas informções sobre meu histórico de saúde e não poderia deixar de falar “nele”. Ao ouvir minha história, a recepcionista me disse, “Peraí, acho que você pode ter direito a tratamento gratuito.” Como assim?, pensei. Fui logo explicando que não estava em tratamento, só fazendo acompanhamento, etc, etc. Ela me aconselhou a ligar para o Claudia Meyer Cancer Center para pegar mais informações. Não custa tentar, pensei.

Deixei recado e ontem eles me ligaram de volta. Me fizeram poucas perguntas e eu fiz questão de dizer que NÃO estava em tratamento, que a doença NÃO tinha nenhum estágio pois havia sido completamente extirpada na última cirurgia, afinal de contas, como boa filha e sempre tentando melhorar meu karma, jamais ia querer um benefício que não era meu por direito. A resposta dela foi surpreendente. “Você está curada?! Parabéns! Ótimo! Agora pode ligar para o centro de medicina e dizer que falou comigo. Seu tratamento é gratuito.” Como assim?, pensei mais uma vez. E ela leu meus pensamentos: “Este é nosso presente para você. Isto é resultado de um grant (ajuda financeira) que recebemos, então marque seus tratamentos o mais rápido possivel.” Bingo! Consegui todas as sessões de graça e vou economizar uma boa grana. Tudo isto sem comprometer meu karma e usando meu cancercard de uma forma bem honesta. Como diz a minha irmã “Esta doença desgraçada tem mais é que te trazer algo de bom!”

1 comment:

Thaís said...

Você é uma pessoa iluminada !!! Adoro ver a sua história... Minha mãe teve CA e está curada há um ano !!!! Obrigada... bjs mil