January 28, 2008

O Blog

Sem dúvida nenhuma, nestes últimos meses a melhor surpresa para mim foi este blog. Comecei a me aventurar por aqui em meados do ano passado, muito despretenciosamente na esperança de preencher meu tempo ocioso. Recém chegada a Maryland, sem praticamente nada para fazer, procurando algo que pudesse me aproximar de alguma rotina qualquer, me refugiei na Internet e fiz do computador meu companheiro naqueles dias solitários.

Alguns amigos insistiam para que eu escrevesse um blog para que eles pudessem acompanhar minhas aventuras, mas sempre achei minha vida tão monótona, ainda mais depois de ter virado "dona de casa" nos estéreis subúrbios americanos, das casas sem muro e dos gramados verdinhos. Um mundo tão estranho para mim.

Logo de início duas perguntas bem básicas me vieram à cabeça: Falar o que? E para quem? Sim, pois como jornalista sempre soube exatamente o que queria dizer e quem era meu público-alvo. Agora, de repente, começo um diário virtual sem nenhum objetivo aparente. Hoje, olhando para trás vejo que o objetivo sempre foi terapêutico, escrever é uma forma de me deixar sã ou de pelo menos tentar entender as razões da minha loucura.

Escrevi alguns post mas não tinha um assunto específico para abordar, pois nunca me achei uma expert em nada. Pensei em escrever sobre casamentos, assunto que adoro, ou sobre saúde, tópico que admito só ter se tornado interessante depois das minhas inúmeras incursões médicas. Também não sabia se deveria escrever em português ou inglês, duas línguas que domino e com as quais tenho relações bem profundas.

No início o blog era em inglês, depois passou a ser bilingue, mas confesso que a preguiça acabou falando mais forte e no final acabei escrevendo somente em português. A escolha se tornou mais fácil uma vez que descobri que queria mesmo falar de câncer, ou melhor, falar das mudanças que esta doença traz para a vida de pessoas que como eu eram normais e muito saudáveis, até que um dia deixaram de ser.

Como a minha vida começou a se agitar, ou melhor, como eu passava bastante tempo fora de casa, o blog ficou meio abandonado, pois meu tempo em era tão exíguo que não dava para dedicar nem vinte minutos ao coitado do blog.

Mas como as coisas na minha vida mudam numa rapidez impressionante e a aparente calma foi repentinamente substituída pelo mais absoluto caos, voltei a usar o blog como válvula de escape. A cada dia, depois das consultas médicas ou dos exames mais diversos, chegava em casa e tentava processar tudo e me preparar para o dia seguinte e ao colocar meus pensamentos no papel conseguia entender um pouco melhor a bagunça em que tinha se transformado a minha vida.

O blog era acima de tudo meu diário e como bom diário era praticamente secreto, até que um dia a Claudia, blogueira-mor (www.claudiabeatriz.blogspot.com) descobriu que ele existia. Não sei muito bem como, mas me lembro de ter tomado um susto e tanto quando encontrei um comentário dela por aqui. E foi esta mesma Claudia que meses depois fez um post sobre mim no blog dela pedindo para que todos orassem por mim. Daí pra frente o blog virou público! Ela fez o que eu queria ter feito e nunca tive coragem: abriu as cortinas e me deixou de cara para o público sozinha no palco!

Achei o máximo! Mal pude acreditar quando fui lendo os comentários que as pessoas deixavam. Era tanto carinho, tanto apoio vindo de todo o canto. Impossível não se emocionar. Eram desconhecidos que deixavam mensagens lindas, amigos próximos que recebiam notícias minhas online e amigos que já julgava perdidos no tempo e no espaço cibernético. Grandes e ótimas surpresas.

Pensando bem acho que tem mais uma lição aqui. Meu maior medo era que as pessoas visitassem o meu blog e me interpretassem mal. Por mais que eu quisesse que outras pessoas lessem o que escrevia, o medo da rejeição me apavorava e me impedia de satisfazer a minha vontade. Quando a Claudia colocou o link para o meu blog no blog dela de certa forma me vi forçada a enfrentar este medo de frente. Mas a reação das pessoas foi tão rápida e maravilhosa que a sensação de medo foi logo transformada num sentimento de liberdade muito grande. Receber o carinho e conhecer a opinião de outras pessoas e saber que elas estão ali porque acharam a minha história interessante era simplesmente impensável há alguns meses. Ver os comentários, sugestões e conselhos é tão gratificante.

Então o meu post de hoje é um agradecimento a todos vocês, amigos reais e virtuais, que tornaram este último mês suportável, que fizeram com que me sentisse amada e envolvida por uma corrente do bem, que me deram coragem para seguir em frente. Queria saber um pouco da história de cada um, das experiências vividas, dos sonhos, dos tropeços e etc... Quem sabe aos poucos a gente não vai se conhecendo por aqui?

9 comments:

Karla said...

Oi, Dani!
Cheguei ao "Contemporary Cinderella" através do blog da Cláudia, que por sua vez me foi apresentado por outra blogueira amiga, e eu não canso de agradecer as amizades e lições de vida que a internet tem me proporcionado.
Moro em João Pessoa (PB), já passei dos trinta e vivo comemorando a bênção de ter descoberto (acidente? Deus?), há três anos, um tumor maligno no rádio esquerdo, devidamente extraído (junto com o osso) quando estava no primeiro grau. Foi realmente um divisor de águas na minha vida, já que, a partir de então, escolhi pensar só o melhor e concentrar toda a minha força na recuperação. E tem dado certo, pois recuperei todos os movimentos, mesmo após várias cirurgias.
Fiquei aqui torcendo por você, e continuo acompanhando a sua jornada. Perdoe o comentário loongo, um abraço! :)

Jady said...

Olá moça, bom dia... Foi exatamente através da Clau que cheguei aqui, inclusive, na época,fiz campanha junto com ela,

http://jady.blogspot.com/2008/01/doao-de-sangue.html

http://jady.blogspot.com/2008/01/ainda-d-tempo.html

E desde então que você está no meu google reader, nunca comentei, mas sempre torci a favor.

E hoje, eu resolvi comentar, por causa de uma frase que vc disse ali em cima: "pois nunca me achei uma expert em nada.". A graça de um blog é exatamente isso... você não precisa ser expert em nada para escrever.... você simplesmente escreve e "deixa as palavras levarem". O meu eu considero meu divã... e estu nele há quase 6 anos ;-)

vida longa a vc e ao blog ;-)

Beijo

Bel said...

Oi, Dani!

Vim aqui pela primeira vez pelo link da Clau, e confesso que não voltei, mas orei, torci e gostei de saber das boas notícias pela Clau mesmo.

Hoje comecei a ler o post da Jady, e ninguém tinha comentado. Qaundo abri o Halo... tinha você! Aí vim ver quem foi a "fura-olho', já que eu adoro ser a "primeiraaaaaaaaaa" (kkkkkkkkkk)

Enfim, vou voltar, viu? Escrever num blog é o que de melhor pode acontecer, como um catalisador, pra quem está vivendo um turbilhão de emoções. E depois, amiga... vicia.

Um xêro e tudo de bom!

Dani said...

Carla,
Que bacana a sua história. É incrível o poder que a doença tem na vida das pessoas e na maioria das vezes deixa lições muito positivas. Uma vez uma amiga minha, que teve câncer de mama, me disse que devíamos encarar a doença como aprendizado e é justo isto que tenho feito.
Vida longa e muita saúde para você!

Jady,
Obrigada pelo conselho. Fui lá no seu blog e adorei! Agora preciso me entender com este Google reader para cadastrar todos estes blogs que as poucos se tornarm imperdíveis.
Beijos e muito obrigada pela força!

Malu said...

Daniii, tb cheguei pelo blog da claudia... ela está na minha lista de feeds então tô sempre acompanhando! Sou cristã, tenho 32 anos, moro no Rio há mais de 20 (sou paulista, arquiteta ( com escritorio proprio), casada há 6 anos e mãe de 2 filhos. te passei o blog dos meus pequenos por email. Enfim.. torço e oro por ti ! E se deus quiser esse será um ano muito abençoado pra vc !

um beijooooooooooooooo

Fernanda França said...

Querida, já deixei alguns comentários, mas depois fiquei encabulada, imaginando que você, talvez, não gostaria de ter uma visita, uma "intrusa" aqui. Mas vou deixar novamente, na esperança de que você não me ache nada "intrusa", risos.
Sou Fernanda, também jornalista, paulistana, moro no interior, trabalho em um jornal, escrevo meus livrinhos e amo a minha vida. Perceber o valor da vida e da saúde me fez uma pessoa diferente também, em 2004, quando quase morri (mesmo, teve até "despedida", credo!! toc toc toc) com um derrame pleural e mais uma batelada de coisas que me levaram à UTI. E enfim, depois de tudo, só agradeço a Deus por ter me dado essa oportunidade de ver o valor de estar viva - coisa que muitos não sabem, porque nunca se sentiram com medo, com a vida entre os dedos, escorrendo...
Terei o maior prazer em te conhecer, te receber no meu cantinho. Fique à vontade para explorar tudo por lá. Estou sempre rezando por você, agora que se tornou uma colega virtual. Que Deus te abençoe!
Beijos
Fê.
www.fernandafranca.com

Claudia said...

Dani, eu aprendi há muito tempo atrás o poder que tem essa corrente positiva que se forma pelo blog. Meu blog está no sétimo ano, já tive vontade de parar várias vezes, mas cada vez mais, entendo que é o lugar onde eu posso desabafar, compartilhar. Fiz muitos amigos por ali. De conhecer de verdade e de virar amigos queridissimos. "Dedinhos cruzados" já virou uma constante por lá e minha maior alegria é compartilhar coisas legais, blogs legais com as pessoas que vão lá. A Bel e a Jady, duas que comentaram aí em cima, estão na categoria de amigas que eu esqueço que a gente nunca se viu pessoalmente. E isso é a blogosfera. Na época que você mandou o email sobre a descoberta e a cirurgia, fiquei pensando se devia mesmo te linkar, porque eu sabia que isso ia acabar trazendo gente que voce nunca viu pra cá, no fim das contas, pensei que solidariedade, palavras de conforto, sempre ajudam.. e as pessoas que vão lá no blog, são em sua maioria, gente do "bem". Ainda bem que fiz, assim mais gente pode ver o seu talento, ler sua mensagem, torcer por você, assim como eu faço. Vida longa pra você e pro blog. :)

Dani said...

Bel,
Que bom que você voltou! Coincidência eu ter postado hoje cedo. Aos poucos vou tentando ler o blog das meninas e conhecer uma a uma. Concirdo com você, escrever um blog é o melhor remédio contra a loucura e a depressão em momentos difíceis.
Adorei a visita! Apareça sempre!

Malu,
Deixei um post no blog dos seus pimpolhos. Outro dia tentei entrar as não tinha visto a senha! Que crianças lindas você tem! Tudo de bom para você e para sua bela família.

Fernanda,
Adoro quando vejo comentários bacanas por aqui; eles me transmitem uma força enorme. Parece que sinto uma grande mão me empurrando para frente... Fui lá ver seu site e adorei tudo, principalmente os livros infantis. Você já está conversando com algumaeditora? Quem faz suas ilustrações, que também são lindas? No site, vi que além de termos sofrido um derrame pleural (sim, pois meu prontuário médico é mais extenso que a lista do Mensalão!!), temos muita coisa em comum. Somos jornalistas, gostamos de crianças, temos maridos fortes e corajosos que nos acompanharam no CTI e temos um gato meio Garfield. (O Merreca parece o Teddy com muitos quilos a mais!)
Muito legal! Agradeço também pelas orações e acabo de incluir você nas minhas.
Fique com Deus!
Beijos

Adriana Cavalcanti said...

Oi Dani, tb cheguei aqui pelo blog da Cláudia que visito quase diariamente. Nunca comentei n seu blog mas pode ter certeza que sempre estive de "dedinhos cruzados" torcendo por vc, e deu certo! Fico muitissimo feliz pela sua cura e torcendo p que vc continue por aqui passando essa msg tão positiva que faz com a que a gente encare a vida de uma maneira muito melhor! Um biejo grande, Adriana Cavalcanti