February 25, 2008

Matron of Honour


Enfim chegou o dia do casamento da Michele. Um dia que se transformou num marco para mim, pois como lembrou o Blake, assim que recebi o diagnóstico bombástico em dezembro, a primeira pergunta que fiz ao médico foi: "Vou estar boa para ir a um casamento em Nova York no dia 23 de fevereiro?" Não perguntei dos riscos da cirurgia, do prognóstico, do preparatório...nada! Só queria saber se poderia estar fabulosa dentro do meu vestido uva indefectível. E a resposta veio este fim de semana.

Esta foi a meta que tive comigo este tempo todo: ao entrar na sala de cirurgia, a passar meus dias no CTI e no hospital. Para fugir da minha realidade, que por vezes pode ser bastante dura, me fixo em pontos no futuro, ocasiões esteticamente bonitas que me tragam prazer. Foi assim em 2002 com o Natal e foi assim em 2008 com o casamento da Michele. Afinal de contas eu comecei a história dela e do Max, então nada mais justo que eu terminasse também! Terminasse no bom sentido, é óbvio, nada como um belo casamento para trazer o final feliz que todos esperamos.

Para quem não está acostumado,a matron ou maid of honour é uma figura muito importante nos casamentos americanos. Nos EUA, não existem os pares de padrinhos de casamento. O noivo escolhe o best man e os groomsmen e a noiva a matron/maid of honour e as bridesmaids. A maid, se for solteira, ou matron, se for casada, of honour é quem abre o cortejo e ajuda a noiva com todos os detalhes do casamento. Fica ao lado dela durante a cerimônia, arruma o véu na igreja e segura o bouquet na hora da troca das alianças.

Confesso que fiquei muito honrada com o convite, afinal coroaria a minha carreira de matchmaker ou cupido profissional, mas como boa brasileira que sou, não fazia idéia da importância do papel. Pois é, sábado para mim parecia uma noite do Oscar! Foi o climax de uma semana maravilhosa. A minha temporada no hospital e a minha peregrinação por consutórios médicos e laboratórios me pareceram tão distantes. Parecia coisa de outras vidas...

Adoro casamento, para mim não há ocasião mais linda e foi justo por isso que me prendi tanto a esta data, mas nem nos meus sonhos mais otimistas pensei que fosse estar lá em perfeita saúde, como se nada tivesse acontecido. Me senti tão bem ao ver a noiva linda e clássica, o noivo nervoso, os pais muito felizes e os amigos prontos para festejar. Foi engraçado ver tudo de um outro ângulo, um ângulo bem próximo, pois a Michele é como se fosse uma irmã para mim, mas ainda assim eu não era a noiva. O que por um lado é ótimo, pois a gente aproveita ao máximo sem ter tanto stress.

A saída das bridesmaids do Waldorf=Astoria não poderia ter sido mais Sex and the City. Fazia um frio desesperador, a neve da véspera ainda estava pelas ruas e nós não conseguíamos achar a nossa limousine. Os vestidos longos se arrastando nas calçadas sujas de Manhattan, o vento, que não dava trégua, cortava nossas costas quase nuas, as mãos ocupadas por lindos bouquets (sim, aqui as bridesmaids usam bouquets!), bolsas, estolas, etc... e o carro que não chegava. Verdadeiro caos. Não pensamos duas vezes, fizemos sinal e entramos num taxi, sim, num famoso yellow cab de Nova York, que ainda por cima estava cheio d'água no chão... Fomos correndo para a igreja. Atrás do nosso simpático e imundo taxi, o carro da noiva, um Rolls Royce branco cuja buzina era, acreditem se quiser, a Marcha Nupcial!!!! Ainda bem que as câmeras estavam lá e não me deixam mentir.

A chegada na igreja foi um pouco tumultuada, mas em pouco tempo já estávamos lá prontos para entrar. E advinhem quem abriu o cortejo? Sim, euzinha que vos fala! Pois aqui nos EUA, os groomsmen entram pela lateral, assim como o celebrante e o noivo. As mães dos noivos entram antes e sentam-se nas primeiras filas e só depois entra a wedding party, ou seja, a matron of honour, as bridesmaids, as crianças, a noiva e o pai.

Então lá entrei eu: sorridente e triunfante no meu vestido uva, que depois do da noiva foi o mais comentado da festa! Sério!!! Sei que estou meio over hoje, mas deve ser de felicidade, pois fazia tempo que não via tanta gente querida numa ocasião tão feliz. Como entrei sozinha e de bouquet na mão, foi como se fosse uma reprise do meu casório, 11 meses depois! Fiz minha entrada e depois fiquei lá quietinha no altar vendo o resto do pessoal chegar.

A porta se fecha de novo, há um silêncio solene e eis que avisto a noiva: linda, sorridente e muito elegante... Elegante demais, cheia de charme, parece que está na passarela. Então me vem a cabeça que algo está faltando... Penso e em alguns segundos, me chega a realização de que a noiva está entrando sem bouquet!!!! Como assim se eu dei o bouquet para ela antes de sairmos da sacristia?! Pois é...foi exatamente lá que achei o lindo arranjo de flores...depois do casamento!

A cerimônia foi simples e bonita, bem ao estilo dos noivos. Sou fã de casamento na Igreja, acho que fica muito mais especial. O sermão foi bem moderno e até eu fui mencionada!!! Afinal quer história melhor do que encontrar um carinha numa boate no Rio e organizar um blind date com a sua melhor amiga em Nova York que termina em casamento?!

A festa foi muito legal, os discursos engraçados e bonitos. O Max me agradeceu mais uma vez por ter propiciado o encontro que mudou a vida dele. (Não falei que foi minha noite de Oscar?!) Hoje vou mandar um email para eles, pois tenho muito que agradecer também. Esta semaninha em Nova York me renovou os ânimos e tantos discursos e agradecimentos deixaram meu ego mais que inflado.

Que a Michele e o Max sejam muito felizes e que esta felicidade comece agora na lua de mel na Tailândia!

Ah, hoje estou me sentindo a própria fada madrinha...

5 comments:

Ana Claudia Lintner said...

Oi Dani,
que post mais gostoso de se ler - adorei! Bom saber que voce esta de sorrisao no rosto novamente - merece ;)
Um beijo,
Ana - feliz por voce!

Ana Claudia Lintner said...
This comment has been removed by the author.
Cristina said...

Oi perua! Adorei saber, bela descrição. Tava linda e maravilhosa, as usual!!! Agora eu tô planejando a minha vida contando com minha ida para aí rsrs para fugir do tumulto do trabalho! :-)

Fe França said...

Adorei esse post, está uma delícia de ler! E vc está linda, menina! Que vestido UAU! beijos e saúde, sempre.

Fe França said...

Nossa, outra leitora disse a mesma coisa, rsrsrsrs agora que fui ver....