August 26, 2010

Mãe made in Brazil... Filho made in USA...

Se para muitas brasileiras morando aqui, principalmente as casadas com americanos, a decisão de ter filhos neste país é meio automática, para mim não foi. Por causa de vários fatores, entre eles o fato de conhecer excelentes médicos no Brasil e ter acesso a ótimos hospitais, a minha vontade era ter o meu bebê no Rio, mas infelizmente a ideia não iria funcionar em termos práticos. Tanto eu quanto o Blake trabalhamos aqui e não teríamos condições de passar seis meses no Brasil, pois teríamos que viajar no máximo daqui a dois meses e ficar lá até o bebê completar pelo menos três meses, o que para nós seria inviável.

Confesso que ficaria mais tranquila no Rio, mas tenho que aceitar que a minha vida – e a do Joaquim em breve – está aqui, então tenho que criar algum tipo de estrutura. Ainda ligo para o Dr. Joaquim quando preciso tomar remédio. Quando tenho dúvidas, uso e abuso dos vários amigos médicos no Brasil...confio neles e sei que estarão sempre disponíveis e dispostos a me ajudar. Quem mora aqui sabe que é mais fácil uma audiência com o Papa do que conseguir que um médico atenda o telefone. (O único que SEMPRE me retornava era o meu médico do tramento de FIV, mas ele é a exceção da exceção!)

A gravidez em si tem sido bem tranquila – graças a Deus – e o Blake tem participado bastante, mas me considero bem independente e escolada quando o assunto é médico, então não tenho o menor problema em ir a consultas ou exames de rotina sozinha. Só levei o Blake a duas ultras, mais por ele do que por mim. Outro dia, a tal amiga da minha cunhada disse a ela que sentia falta de alguém para dividir este momento, então me pergunto, mas marido serve para quê? Minha mãe e minha irmã são muito presentes, mesmo que à distância, dão pitacos na decoração, na escolha do enxoval...só não podem mesmo ir às compras comigo, mas o Joaquim vai, sem reclamar! Não tenho muito esta necessidade de compartilhar com outras grávidas a minha rotina, me viro muito bem sozinha.

A única coisa que realmente me preocupa é que, ao contrário do que aconteceria no Rio, não conheço meus médicos direito. E como aqui voê nunca sabe quem vi fazer seu parto, já que eles trabalham em esquema de plantão, se revezando na equipe, achei melhor pelo menos ver a cara de todos até o grande dia. A minha favorita, que me tinha sido recomendada, está grávida de gêmeos, com data prevista para o parto no dia do meu aniversário, ou seja, mais de um mês antes do nascimento do meu filho, então está descartada. Logo ela que tem a minha idade e entende tudo de FIV – já fez cinco! – e tem filhos pequenos! Mas tudo bem, espero que o resto da equipe seja bacana também.

Mas acima de tudo, espero que a exemplo do que tem acotnecido até aqui, tudo transcorra de modo absolutamente normal... Sei que na hora muita coisa sai do script, só espero que não seja nada de grave. Se no Brasil, sempre tenho a certeza de estar nas mãos dos melhores profissionais, aqui já não posso dizer o mesmo... As outras grávidas que encontro no consultório dizem gostar muito dos médicos de lá, há fotos e mais fotos de bebês lindos e gorduchos. Espero que em breve o meu seja um deles...

7 comments:

Helene said...

Dani, infelizmente bloquearam o blogguer na empresa! Pois é...rs rs Nao posso te seguir assiduamente mas venho de vez em quando ler as novidades!
O quartinho do Joaquim vai ficar lindo tenho certeza, ja que os macaquinhos e o azul e marrom podem sim ser bom aliados! ; )
Espero em breve poder estar nesse clima tb, começaremos a "fabricaçao" do nosso semana que vem, vamos cruzar os dedos!
Beijos para vcs!

Mi said...

só p dizer q estou adorando ler sobre a jornada da mamy de 1 viagem nos USA!!! bjos!! e boa sorte, vai dar tudo certo. na verdade é melhor ser um pouco ignorante do q saber demais sobre procedimentos médicos... sabe aquela história de q não se deve entrar em cozinha de restaurante? rsrsrsrs

Dani said...

Helene,
Obrigada pela visita... Sei como são estas coisas de empresa, mas apareça quando puder. Assim que estiver pronto o quartinho, coloco fotos aqui.

Mi,
Concordo com você. Acho que é até um mecanismo de defesa...a gente quer ter uma noção básica, mas saber muito dá medo, né? Por isto, rezo para ser tudo bem normal...

Beijos

Debora Rocha Muscutt. said...

Dani, se eu estivesse grávida também gostaria de ter meu filho no Brasil pelas mesmas razões que as suas, mas diante das circunstâncias, tenho certeza que vc está checando tudo super bem e vai estar nas mãos de pessoas bacanas, Deus vai te ajudar em tudo, outra certeza que tenho.
Beijos

Só uma menina said...

Vai ser, Dani!!! Joaquim vai ser muito fofo!!

Cristina said...

Dani,
sua mãe vai para aí? Eu te contei que a Andrea de Houston tá grávida tb né? Ainda não sabe se é menina ou menino, mas lá, indicaram um médico que fez o parto de uma colega. Ela sabe a cara pelo menos! Mas o importante é que vem com saúde (lendo tudo qto é post hoje percebeu ne rsrs)

Dani said...

Cris,
Welcome back! Que legal que a Andrea também está grávida. Vai nascer aqui, né? Ela quer dar a cidadania para ele...enquanto pode, pois já estão falando em mudar as leis aqui! Sobre o médico, que ótimo que ela tem dicas! A maioria aqui trabalha em equipe e mesmo que você faça o prenatal todo com um médico, na hora H, faz seu parto quem estiver de plantão na equipe! Bem diferente das coisas no Brasil...
Beijos!