April 12, 2009

Acupuntura


Ontem foi a minha primeira consulta aqui. Este lugar que achei a uns 10 minutos de casa é sinceramente o segredo mais bem guardado de Howard County: uma faculdade de pós-graduação em artes curativas, ou medicina alternativa. Cada vez que vou lá, tenho uma supresa melhor do que a outra.

Acabei chegando atrasada pois dormi tarde na noite anterior e por causa do tempo horrível que fez aqui ontem, meu GPS se recusou a trabalhar e, como quase nunca vou de casa para lá, errei o caminho. Claro que vale lembra que meu senso de direção é INEXISTENTE, mais uma coisa herdada da minha mãe, que é completamente desorientada, assim como eu.

Ao chegar lá, felizmente fui avisada que eles também estavam atrasados. Ufa! Nada pior que chegar atrsada para uma consulta gratuita, né? Preencho a ficha rapidamente e depois de alguns minutos, sou levada a uma salinha, onde aguardo a acupunturista. Dentro de pouco tempo, entra uma mulher de longos cabelos ruivos, uns trinta e poucos anos e enormes olhos verdes. A voz dela é doce e ela parece que flutua. (Pode ser impressão minha, mas este pessoal de yoga e acupuntura me passa uma tranquilidade enorme).

Ela se apresenta e pede para que eu fale um pouco de mim. Faço um resumo nem tão breve assim dos meus últimos anos, e óbvio que o fígado vem a tona. Ela presta atenção e anota tudo. Ela me explica que o fígado é regido pelo fogo, de acordo com os princípios da medicina chinesa, e este órgão também tem efeitos na nossa personalidade, nos torna determinados e cheios de energia, quando em equilíbrio. Em desequilíbrio, pode nos tornar agressivos ou letárgicos. Ela me diz também que na medicina chinesa, podemos tirar a maior força de onde existe a maior fragilidade e que o tratamento vai focar no meu fígado e no meu equilíbrio, a fim de me manter saudável e livre de câncer.

Ela me pede para virar de bruços, me explica sobre as agulhas e eu digo a ela que já faço acupuntura há anos e não tenho medo de agulha (agora!). Tiro a blusa, me deito e ela coloca um monte de agulhinhas bem fininhas nas minhas costas. Depois disso, ela sai da sala e eu fico lá sozinha ouvindo um CD com o barulho das ondas (afinal estamos em Maryland!). Desta vez, não durmo, mas fico meio grogue.

Passado o tempo, ela volta, retira as agulhas e me diz que hoje vou me sentir meio cansada/relaxada e que devo evitar embates, já que meu corpo energético está aberto. No dia seguinte devo me sentir bem melhor, após uma noite muito bem dormida.

Dito e feito. Chego em casa e, ao contrário do que normalmente acontece, resolvo tirar uma soneca à tarde... Só saio à noite, já me sentindo melhor.

Dormi uma noite muito tranquila e hoje acordei mais disposta do que ultimamente. Tomara que o tratamento mesmo! Volto lá sábado que vem...

Agora, além da yoga, incluo acupuntura, chás medicinais e massagem na minha agenda. Se dentro de poucos meses eu não me tornar zen, acho que posso me considerar um caso perdido!

6 comments:

Cristina said...

Dani,
minha mãe tá fazendo e tá viciada nas agulhinhas - legal! Mas e malhação, na sua agenda? Sente a cobrança de cá rsrs

Anonymous said...

Dani, vc viu a reportagem do fantastico de hj que fala sobre a doacao de orgaos no Br? Foi tao emocionante, fiquei penalizada pela situacao das pessoas que estao na fila a espera de um orgao. Nao sei pq me deu vontade de vir aqui desabafar um pouquinho.

Um beijo no coracao,

Tata.

Fernanda - www.fernandafranca.com said...

Eu disse que era bom! rs... sou fã, faço há alguns anos e toda semana. Às vezes paro, depois volto porque mesmo quando estou bem, é um equilíbrio e paz enormes para mim. Beijos!

Dani said...

Oi Cris,

Agora com o tempo melhor, vou passar a caminhar no meu novo bairro e intensificar ainda mais as yoga. Já decidi que academia não é pra mim...sou claustrofóbica ;)

Tata,

A reportagem foi linda, espero que o paciente consiga logo um transplante. Que agonia, coitado!

Fê,
Acupuntura eu já tinha feito e sabia quer ia gostar mas adorei a terapeuta! Valeu pela força!

Bjs

Isabella said...

Que delícia, Dani! Queria tanto achar um(a) bom(a) acunputirista aqui perto de mim... Não tenho carro então ter ser possível ir a pé, de metrô ou ônibus.

bjs

Cristina said...

Dani,
caminhar é uma ótima! Não adianta ficar zen se o corpo não responde à altura. Mas vem cá, e quando o tempo fica ruim? Ai ai ai, vou ter que falar com seu marido rsrs??? bjs,
Cris
ps: indo para a academia pq não é claustrofóbica, ama receber ordens da professora de body combat e andar na praia de Botafogo é perigoso :-)