January 17, 2012

2011: O Ano que Descobri que Queria Ser Mais que Mãe

Nunca fui daquelas meninas que brincavam de boneca. Sempre preferi os livros. Também não fui daquelas jovens que sonhavam em casar vestida de noiva num castelo. Acho que sempre suspeitei que o tal Príncipe Encantado poderia se perder no meio do caminho. E tampouco fui daquelas mulheres loucas para ser mãe, dispostas a tudo, até uma produção independente. Sempre vi a maternidade como consequência e não como um fim. Construir uma família na minha cabeça sempre veio antes de me tornar mãe. Talvez por ter tantos obstáculos, gosto de tentar planejar algumas coisas na minha vida, filhos certamente.

O fato é que apesar da inicial falta de interesse, tive um casamento mais que tradicional, com direito a vestido de noiva e igreja barroca, como nos filmes de princesas. E depois de alguns anos de convivência, a menina que nunca se interessou muito por bonecas, achou que já havia chegado a hora de pensar na chegada de um bebê de verdade. E assim começaram nossas tentativas que duraram um bom tempo e vieram carregadas de expectativas e de decepções ao longo do caminho.

Mas como é o lema da minha vida, Deus me ajuda a alcançar cada objetivo, mas quase sempre com alguma dose de sangue, suor e lágrimas. Obviamente com meu bebê não seria diferente. Depois de todos os exames e nenhum diagnóstico, partimos para a fertilização in vitro. (Por conta do meu histórico de saúde, preferi ir direto ao método mais invasivo mas o que prometia melhores resultados também.) E ao contrário do que acontece com a grande maioria dos casais, conseguimos engravidar na primeira tentativa.

Eu, que já tinha me preparado para ser uma grávida de altíssimo risco, nem acreditei quando os médicos trataram de me tirar do tal grupo rapidinho. Tive uma gravidez perfeita. Fora os enjoos no primeiro trimestre, acho que nunca me senti tão bem disposta na vida. E assim foi, até a chegada do Joaquim, em dezembro de 2010, quando uma verdadeira avalanche tomou conta de nossas vidas.

Não importa sua idade, não importa quantos livros você leu, quantas grávidas você entrevistou, quantos vídeos assistiu, a verdade é que NADA nem ninguém pode preparar uma mulher para o que está por vir. Quando a minha mãe insistia em dizer “filho muda tudo!” eu sinceramente não tinha noção da dimensão da coisa. Aquela história de que a sua vida nunca mais será a mesma é...a mais pura verdade!

Obviamente eu sabia das restrições quanto a minha liberdade. Claro, agora tenho um serzinho que é 100% dependente de mim, mas convenhamos que já aproveitei bastante a minha vida. Também achei que fosse tirar as tais noites em claro de letra, afinal nunca dormi muito, nem nunca precisei de muitas horas de sono. Na minha cabeça (ôca, diga-se de passagem), o bebê iria acordar, mamar em 30 minutos, arrotar em 10 e depois voltar a dormir sem nenhum protesto. Pode até ser assim, mas na casa dos outros! O meu bebê não dormia NUNCA, estava sempre esfomeado, era um horror para mamar, e berrava 24 HORAS POR DIA. O Joaquim era o temido “bebê com refluxo.” Só quem já teve um sabe do que estou falando...

Todo mundo me dizia que as coisas aos poucos iam melhorando... Aos quatro meses ele vai dormir direto, insistia a minha sogra. Só que agora, aos 13 meses, ela ainda acorda à noite. Com cinco meses ele vai parar de vomitar...Ele só parou com mais de oito. E por aí vai... E eu, na doce ilusão de que tudo ia melhorar, que um dia a minha vida ia ser menos caótica. Quanta idiotice!

O que demorei mais de um ano para perceber é que não é o Joaquim que vai melhorar. Quem vai mudar – e está mudando – sou eu! Mudam as minhas expectativas, muda a minha forma de ver o mundo, muda o meu dia a dia. A maternidade, aprendi, é um processo sem fim. E este processo é ao mesmo tempo prazeroso e dolorido, como toda mudança.

Sempre soube que a maternidade seria uma das várias dimensões da minha personalidade. Ao contrário de muitas mulheres, nunca achei que um filho fosse me completar como mulher ou como ser humano. Nunca entreti a ideia de abandonar a minha carreira para ser mãe em tempo integral. Não condeno que faz tal escolha, mas não me vejo nesta posição. E se todo mundo diz que não há trabalho mais árduo do que o de mãe, na minha opinião, o trabalho fica ainda mais difícil quando esta mãe é esposa e profissional que ainda tem alguma ambição quanto a sua carreira.

Aqui no mundo corporativo americano, existe algo que se chama “mommy track”, um lugar entre o limbo e a porta de saída que abriga mulheres alijadas profissionalmente que nunca irão saber o que significa uma promoção ou um bônus por mérito. Um lugar de onde eu definitivamente quero distância! Acho que quem está na chuva é para se molhar. Se tenho que sair de casa, cumprir metas e horários e rebolar para manter a qualidade do meu trabalho, quero ter direito às mesmas oportunidades e aos mesmos benefícios. O “mommy track” definitivamente não é para mim.

Engana-se também quem acha que coloco a carreira acima da família. Ano passado, por exemplo, não fiz nenhuma viagem a trabalho. A única possibilidade era em novembro, quando o Joaquim estava prestes a completar um ano, e mesmo assim, preferi adiar. Às vezes me sinto esgotada, mas não consigo pensar na minha vida sem meu trabalho. Da mesma forma, hoje não me vejo sem o Joaquim, então a única saída é conciliar. E conciliar é abrir mão de horas de sono, horas de prazer e aceitar que o dolce far niente é coisa de um passado longínquo.

Sempre soube que queria mais do que ser mãe, mas confesso que durante a gravidez muitas vezes me perguntei se mudaria de ideia. Muita gente me dizia que eu não iria aguentar deixar o Joaquim e voltar ao trabalho. Não só consegui, como na maioria das vezes deixá-lo brincando na creche, aprendendo coisas novas, me traz muita satisfação. Assim como me enche de alegria ver o rostinho dele se iluminar quando vou buscá-lo na saída.

Ser mãe é muito bom, mas depois de um ano de muito trabalho e pouquíssima diversão, sinto que aos poucos vou resgatando a minha identidade e voltando – ainda que lentamente – a ser eu mesma. Não a mesma pessoa que existia até 2010, mas uma pessoa nova e multidimensional, que agora além de filha, esposa, amiga, profissional, é também mãe.

14 comments:

Verônica Soares said...

Que texto bonito, Dani! Acompanho suas colunas na Noivas RJ e também colaboro com a Revista. Parabéns pelo sucesso em tantos projetos bacanas!

Monica Lima said...

Quando crescer quero ser como você, sério! :)
Te admiro demais, Dani! E você disse tudo o que eu penso e que acho que vou sentir quando for mãe.
Não deixe de blogar (apesar da correria que sei que é sua vida), você é uma inspiração.

Beijos

Dani said...

Verônica,
Obrigada pela visita e pelo carinho! Que bom saber que você também colabora com a Noivas RJ. Gosto muito do pessoal de lá.
Beijos

Dani said...

Monica,
Puxa, obrigada pelo elogio e pelo incentivo! Gosto muito de escrever e colocar os pensamentos para fora, mas a vida tem sido tão corrida que o blog acaba ficando abandonado. Vou tentar postar com mais frequência.
Beijos!

Daniela Freitas said...

Dani, palavras perfeitas! Minha filha está com 4 meses e é exatamente assim que me sinto...com aquela sensação de que minha vida nunca mais será a mesma !!! Agora ela começou no berçário, e daqui há um mês volto a trabalhar. Dói deixa-la, mas tbem nao me vejo em casa...tudo é difícil né?!! Ser mãe é o maior de todos os desafios!!!

Dani said...

Dani, ser mãe é mesmo um grande desafio e acredito que a gente vai tentando melhorar a cada dia. Gosto muito de creche para crianças. Quando a creche é boa, elas aprendem muito: a dividir, a afirmar, a brincar e a ceder...gosto deste convívio e desta socialização. Hoje saí com o Joaquim aos prantos -- ele mudou de sala, agora está com as crianças que andam e vai demorar um pouquinho a se adaptar -- mas logo depois liguei e ele estava bem. E assim vamos seguindo...
Bjs e parabéns pela filhota!

Só uma menina said...

É difícil ser mais que mãe e entendo você completamente. Sinto o mesmo. Quero mais também e, na verdade, acho que nem tenho outro caminho porque não seria feliz de outro jeito. É bom saber que não somos as únicas. De vez em quando, você tem culpa? Eu ainda tenho... rs...
Beijos, Dani!

Dani said...

Tenho culpa, sim! Quando não consigo levar e/ou pegar o Joaquim na creche, quando chego e ele já está dormindo, quando estou tão cansada que não consigo me levantar no meio da noite para vê-lo. A lista é loonga...
Beijos

Cristina said...

Dani, uma das minhas melhores amigas dos tempos de colégio voltou da licença agora e vou pedir para ela ler o seu post. Ela não tem dormido pq o menino literalmente mama o tempo todo.

Debora Rocha Muscutt. said...

Achei lindo o seu relato e, não tenho a menor dúvida que Joaquim só veio melhorar muito mais a sua vida em todos os sentidos!
Que Deus abençoe a vc e sua familia, Dani.
Bjns

Dani said...

Cris, o primeiro ano é PUNK! Você só sabe quando passa por isto, mas aos poucos a gente se acostuma. Eu passei meses sem pregar o olho, fora umas sonequinhas de 2 horas...
Bjs

Dani said...

Debora,
Concordo com você...o Joaquim é a luz das nossas vidas.
Beijos e tudo de bom para vocês também.

Ana Paula said...

Dani, nossa, nem sei por onde começar
Seu blog me inspirou de uma tal maneira, me tocou, me identifiquei muito com vc! Tomei a liberdade até de comentar sobre você no meu blog e usar uma de suas frases para uma reflexão. Me desculpe se invadi seu espaço e se você se sentir ofendida de alguma maneira me diga que tiro...
Parabéns pela luta, pela maneira de se expressar, pelo filho, enfim! Parabéns e obrigada por ter me feito refletir!
Um beijo

http://mamaequetrabalha.blogspot.com/
Ana Paula

Dani said...

Ana Paula,
Obrigada pela visita! Claro que pode, não tem invasão nenhuma... Que bom que você gostou da reflexão, assim entendo que não sou a única a ter tantos dilemas! Beijos!