July 1, 2010

Aberrações

Hoje vi uma matéria no Today Show que me chamou bastante atenção. O assunto tratado era maternidade em idade avançada. Tudo bem, que aos 36, escuto isto aos montes cada vez que tento marcar um exame. "Você não quer aconselhamento genético, levando em consideração sua idade materna avançada?," as recepcionistas sempre me perguntam. Fico me perguntando aonde anda minha bengala... A minha resposta é sempre a mesma “Não, obrigada.” Não que eu desdenhe da ciência ou que não esteja ciente dos riscos associados à minha gravidez, mas acho que agora é tarde demais para este tal aconselhamento. Decidi que queria ser mãe depois de avaliar riscos e benefícios, agora vou em frente.

Mas estou fugindo do assunto. No caso da matéria, a mãe mais velha tinha 71 anos e um bebê de um!!!! Por causa da idade, sofria de muitas complicações de saúde, algumas provenientes da cirurgia e, imagino, do tratamento. Mas dizia-se feliz. Ao que parece, na Índia existe um enorme estigma associado às mulheres sem filhos. Só que o que me espantou de verdade, não foi um caso, ao que parece, no país há cada vez mais casos de mães acima dos sessenta anos tendo filhos.

Se no passado, a menopause era o limite, hoje a ciência torna possível uma gravidez depois aos 70 anos! Basta usar os óvulos de uma mulher bem mais nova, o esperma do parceiro ou de algum doador, entupir-se de hormônios, e voilá. Claro que grande parte destas mulheres tenta inúmeras vezes até atingir o objetivo. A pergunta que não quer calar é “Cientificamente é possível, mas até que ponto é ético?”

Longe de mim querer julgar as pessoas ou deixar de tirar vantagem da ciência – até hoje minha enorme aliada – mas fico pensando na saúde de mães e filhos e, mais a longo prazo, em caso de morte da mãe, como ficarão estas crianças? Claro que ninguém sabe o dia que vai morrer e tem muita mulher jovem que deixa os filhos órfãos, mas as estatísticas não mentem e a chance de alguém morrer ou adoecer gravemente aos 70 é bem maior do que aos 20 ou 30.

Do ponto de vista egoísta, ainda há mais pontos a favor das mães mais jovens. (Não pensem vocês que ainda não pensei no assunto...) Mas se uma mãe jovem se for – como no caso da Lilian e da Monica, que faleceram aos seus 30 e poucos anos – ainda há o pai jovem que pode cuidar da criança, auxiliado pelos avós, ainda vivos muitas vezes. Se a senhorinha de 70 anos partir, fico pensando quem vai tomar conta do bebê dela. Aconteceu com a espanhola que causou grande polêmica ao dar a luz a duas crianças em 2006. Ela faleceu em 2009 de câncer de mama e cogita-se que as drogas potentes usadas no tratamento de fertilização possam ter feito a doença se espalhar.

3 comments:

paula said...

Oi Dani,

Nossa!! Mãe aos 70?!! Nunca ouví falar!! A mais velha que ouví tinha 53 anos, a minha prima também tem escutado bastante sobre a idade, ela só tem 36 anos, está grávida do primeiro filho, e os médicos a todo momento falam da idade dela, é assustador. Mas é uma geração de ma~es mais velhas, e a expectativa de vida aumenta cada vez mais, então...Imagina que estou lendo um livro de um médico americano que afirma ser perfeitamente possivel não envelhecermos repondo os hormonios certos e podemos chegar facil facil aos 120!! Será????

Beijosss

Mi said...

e o q dizer da aberracao octomom??? outra coisa completamente absurda.... na boa, se vc nao teve filho ate 40-45, eu acho q ja era neh??? adote, faca algo SJP style, enfim...

Dani said...

Mi,
Certamente esta Octomom tem problemas mentais. Assim como o médico que a atendeu. Meu médico se recusa a colocar mais de dois embriões em mulheres de menos de 39 anos. Quatro então...nem pensar!
Bjs