May 28, 2013

Como Cancelar um Atração na Disney

E para quem acha que a diversão na Disney foi só o que viu nos dois vídeos postados do post passado, está muito enganado. A nossa maior aventura na Terra do Mickey Mouse foi mesmo acabar com a alegria de centenas de crianças que estavam sentadas e finalmente assistiam a última performance de Finding Nemo, no Aninal Kingdom.

Mas vamos começar do início. Até que o dia não tinha sido dos piores e o Joaquim estava se portando incrivelmente bem. Bem verdade, o Animal Kingdom é o melhor parque para crianças menores -- tem muita coisa ao ar livre e espaço para os pequenos brincarem mais soltos -- mas ele parecia estar gostando das mísicas e dos bichinhos.

Depois de um tempinho, o Joaquim acabou dormindo durante algumas horas no início da tarde -- só assim pudemos almoçar em paz. Dpois disto, ainda se divertiu bastante a bordo do jipe fazendo safari e tocando uns tambores que ele adora. Por mim, já poderíamos ir para casa. Mas no finalzinho do dia, as meninas pediram muito para ver o show de marionetes Finding Nemo e resolvemos por consenso atender ao pedido.

Já sabendo do risco, Blake, Joaquim e eu resolvemos sentar mais perto da saída. O Joaquim não gosta muito destes shows: muito barulho e escuridão, mas não custava tentar. Logo que as luzes se apagaram o primeiro sinal: "All done now," código do Joaquim nos avisando que dentro de alguns segundos ele começaria a berrar. Ainda tentamos mais alguns minutos, mas ficou muito claro que a situação só iria piorar e o "All done now" continuava de forma insistente e cada vez mais estridente! Nos preparamos então para uma saída rápida e discreta, mas foi aí que tinha um ferro no meio do caminho... E o Blake deu uma pancada tão grande com o joelho neste ferro do encosto dos bancos que nossa fuga tornou-se ainda mais frustrada.

Rapidamente, ele me passou o Joaquim, sentou na fileira mais próxiam a saída e me pediu que levasse o Joaquim e seguisse sem ele, que estava com muita dor. Com o Joaquim aos berros e se debatendo no meu colo, saí correndo pela porta de emergência o mais rápido que pude. A última coisa que vi foi o Blake sentado com a mochila no colo.

Corta!

Já lá fora, perto da saída de emergência a situação é a seguinte:

Eu esperando o Blake sair para fugir para as montanhas... Joaquim aos prantos, jogado no chão, berrando "Daddy, daddy, daddy!" E um minuto se passa. E mais cinco se passam. E dez...e nada do Blake! Resolvo voltar ao teatro com Joaquim berrando no meu colo, no meio da escuridão. E para não atrapalhar ainda mais o show, tento tapar sua boca com a mão, o que de nada adianta.

Ao entrar no teatro vejo o Blake no chão, amaparado por um senhor e rodeado por muitas pessoas -- todas estranhas. Perguntei se o Blake havia machucado o joelho, mas algo naquela cena me causava estranheza... E o senhor que amparava o Blake disse que não. Pensei rapidamente num ataque de pânico ou coisa parecida, mas antes que dissesse mais algo, o senhor se adiantou "Foi uma convulsão, e das bravas." Como assim!? Fiquei ainda mais atônita.

A poucos metros dali, praticamente a minha família inteira assistia inocentemente o show das marionetes, até que decidi estragar a festa da galera. Logo avistei a minha irmã e vocês imaginem o que eu disse para ela... Aliás, melhor não. Mas foi mais ou menos "Sua pateta, tá fazendo o que com esta cara de paspalha que ainda não levantou para me ajudar? Meu marido estirado no chão, meu filho tendo um ataque, eu sozinha aqui e você aí achando graça no peixinho que se perdeu do pai?! Fala sério, vem aqui AGORA!!!" Ela, coitada, meio tonta, na maior inocência, tentando se locomover com sua barriga de seis meses atráves das cadeiras sem entender nada...

Finalmente, ela chegou e tirou o Joaquim do meu colo. Na mesma hora chegaram os paramédicos da Disney e a equipe de socorro. Logo depois, as luzes se acenderam e, para desespero das centenas de crianças que estavam se divertindo horrores, ouvimos o comunicado "Sentimos muito informar que a atração Finding Nemo foi cancelada por hoje. Por favor, dirijam-se para a saída mais próxima.

Só que a nossa aventura estava só começando. Assim que os paramédicos chegaram , mediram a pressão e examinaram a glicose do Blake -- sim minha gente, ecocardiograma e exame de sangue no ato!!! -- para um diagnóstico preliminar. Perguntaram sobre o histórico de saúde do Blake, fizeram umas outras perguntas a ele e determinaram que não devia se tratar de convulsão -- ele estava muito alerta e não havia feito xixi na calça -- quem disse que Disney não pode ser cultura. Discovery Channel é pouco, a gente gosta é de reality mesmo!

E assim, o Blake e eu deixamos Nemo e seus amiguinhos pela porta dos fundos a bordo de uma ambulância e seguimos para o hospital. Próxima atração: emergência num sábado à noite! Mas é aí que a história fica boa...

Brasileiros e brasileiras, a gente chega na emergência de um hospital num sábado à noite e espera encontrar: ( ) um monte de gente bêbada e fedorenta na sala de espera e funcionários mal humorados ( ) Pato Donald e Mickey Mouse batendo um papo cabeça (x) Gente educada e funcionários sorridentes e de bem com a vida

Pois é, it's the happiest place in the world after all, pelo menos para o staff do Dr. Phillips Hospital, em Orlando. Este blog não é de dicas de viagem, mas modéstia à parte, de hospital eu entendo!!!

Fomos superbem recebidos, desde a recepcionista até o médico. Todos nos perguntando pelo Joaquim e se precisávamos de mais alguma coisa. Nos oferecendo comida e bebida -- pelo menos pra mim até que o Blake fosse examinado -- e explicando, passo a passo, o que estava acontecendo. A enfermeira tinha o cabelo mais lindo da Florida -- liso, cheio, negro -- e era uma simpatia. Parecia genuinamente preocupada com nosso bem estar.

Minutos depois entra o médico todo sorridente, digno do elenco de ER ou Grey's Anatomy -- uns 50 anos, cabelo meio grisalho e olhos super azuis -- dava de 10 no George Clooney e no Patrick Dempsey e ainda tinha a vantagem de ser médico de verdade! Ele olha pro Blake e logo diz: "Queria muito ver você, pois acredite se quiser, a mesmíssima coisa me aconteceu quando eu tinha uns 30 anos. Bati com a perna na quina de uma mesa e acordei a uns 5 metros de onde estava. Também me lembro de ter tido uns sonhos muito reais num breve espaço de tempo. Coisa muito estranha." E segundo o doutor do olho azul, depois dos exames mais detalhados que afastaram outras possibilidades mais sérias como arritmia ou outros problemas cardíacos, o que o Blake teve mesmo foi uma síncope. Pois é, a gente vive usando o termo e não sabe direito o que é. No caso do Blake, o diagnóstico final foi "síncope vasovagal"

E a tal "convulsão" na verdade foi resultado do sonho que o Blake teve: ele estava tentando dirigir um carro que tinha perdido o controle e havia pessoas o impedindo de alcançar o volante. Então ele tentava se desvencilhar das pessoas que na verdade estavam tentando ajudá-lo. Mas para quem via de fora, parecia que ele estava se debatendo, sofrendo uma convulsão. Imaginem o susto! E tudo isto ao som da trilha sonora de Finding Nemo!!!

Já mais trabquilos, recebemos alta. Felizmente tudo não havia passado de um grande susto. Ao chegar no hotel, encontramos o Joaquim feliz e brincando com seus avós e priminhos. Graças a Deus, sem nenhum sinal de trauma. Mas Disney e síncopes, nem tão cedo para gente!

14 comments:

Paula Mariano said...

Gente, muito bom!!!! Dani, desculpe, mas estou aqui morrendo de rir imaginando a bizarrice da situação!!! Estou até ficando com medo de levar o Miguel pra Disney no ano que vem... Bem que eu queria esperar até 7 anos, mas o Hugo quer porque quer se aventurar aos 5... Deus me ajude!!!!

Luciana Bordallo Misura said...

Não era pra rir, mas não deu, porque do jeito que você escreveu foi tragicômico total! Ainda bem que foi só uma síncope mesmo, mas que susto! Coitado do Blake! O Joaquim me lembra muito a Julia...eu nem me atrevia a ir em certas atrações com ela porque a reação era essa mesma. Ela está bem melhor agora, mas mesmo assim ainda tenho várias táticas pra sair rapidamente de qualquer lugar com ela! A última vez foi num cinema 4D no Aquário de Atlanta...pelo menos ela agora tampa os olhos e aguenta o tranco, mas não vai entrar num cinema 4D de novo tão cedo. A gente tem que conhecer mesmo os filhos que tem!

Cristina said...

Dani, a gente sempre ouve falar de síncope e eu nunca tinha conhecido alguém que de fato tivesse uma. O stress da situação realmente o levou a isso. Algumas pessoas tem piriri, outras desmaiam, chegou a vez do Blake, que esperamos que seja a última. Vou mandar seu post para uma amiga minha que também tem um filho que não gosta de barulho, escuridão, aglomeração, igual o Joaquim!

Jane said...

Quanto tempo estou para passar por aqui e ver seu Joaquim...de repente, quase eu tive uma síncope só de ler a saga ! Por seu relato pude sentir toda a aflição .
Espero que tudo esteja bem. E para não dizer que não falei : Joaquim está um mega gato ! Que moleque lindo ele está me saindo hein.
Grave ele falando em inglês para nós tupiniquins, please !!
Um beijão.
Saudade de passar aqui.

Debora Rocha Muscutt. said...

Muita coisa junta, Dani, sem dúvida! Nunca tinha ouvido falar nesta síncope, e fico feliz que isso não seja nada demais, porque realmente imagino seu susto ao te falarem que seu marido tinha tido uma convulsão. Eu acho que teria desmaiado, sei lá. Final feliz, graças a Deus!

Marcele F. said...

Oi, Danielle. Já leio o seu blog há algum tempo, mas nunca comento. Dessa vez resolvi escrever porque tenho síndrome vasovagal. Vou passar para você e para o Blake a mesma dica que o médico especialista me deu, na última síncope que eu tive: quando ele perceber que vai desmaiar (essa é uma característica da vasovagal, a gente percebe que vai desmaiar), deve deitar onde estiver, mesmo que seja em uma calçada na rua. Na última vez que passei mal - já faz mais de um ano - foi depois que bati com o cotovelo dentro de uma cabine em um loja de roupas. Mas achei que era ridículo demais desmaiar por causa de uma bobagem dessas e teimei em ficar em pé. Logo depois, cataploft, caí no chão. O problema é que a queda me machucou (tive até de levar pontos na cabeça), e o desmaio propriamente dito não faz mal nenhum. Se eu tivesse me encostado em algum lugar, sairia ilesa. Nesse link tem uma figura com informações interessantes, espero que sejam úteis: http://3.bp.blogspot.com/-kUqQgqooq7o/T7lKAHfItWI/AAAAAAAAANI/1eUr1VLm1ww/s1600/20100903223410445258e.jpg
Abraços!

Bébé Théo said...

Me segurei para nao cair na risada no trabalho mas nao consegui! Apesar das circunstancias temos que admitir que é um dos posts mais engraçados do seu blog! ;-)
Bjs

Dani said...

Paula,
Só estou lendo estes comentários agora. Se você ainda não tinha notado -- hahaha -- este blog anda num abandono só! Espere o quanto puder. Disney pra criança, quanto mais tarde melhor. Bjs

Dani said...

Oi Lu,
Tem crianças e crianças, né? Mas todo mundo me diz que criança rebelde vira adolescente supertranquilo. Estou me apegando a esta esperança.:) Bjs

Dani said...

Cris,
Tô legal de síncope... E de Disnely pelos próximos anos! Bjs

Dani said...

Jane, pode deixar que vou colocar um vídeo do Joaquim aqui sim. Esta idade é muito fofa! Obrigada pelos elogios, a mãe mega-coruja agradece. Bjs

Dani said...

Debora, pois é uma montanha russa! Mas tá todo mundo bem, graças a Deus! Bjs

Dani said...

Marcele,
Obrigadíssima pela dica, superútil! Já até imprimi! Não sabia que era uma síndrome. Pensei que fosse um episódio isolado. Vamos ficar de olho. Beijos

Dani said...

Bébé Theo, digamos que tenha sido um episódio tragicômico sim. Embora apavoradíssima, eu mal podia acreditar que um negócio tão surreal estivesse acontecendo com a gente. Sair da Disney de ambulância -- quem tem uma história destas pra contar?! hahaha Bjs