December 7, 2011

A primeira ida ao hospital a gente nunca esquece...




As últimas semanas foram um verdadeiro vendaval por aqui. O feriado de Thanksgiving que parecia que ia ser um período de "descanso" (entre aspas mesmo porque -- minha mãe estava certa -- depois que a gente tem filho este conceito não existe mais!) foi certamente a fase mais punk da nossa breve vida de pais.

Chegamos da casa da minha sogra e achamos o Joaquim quentinho e resolvemos obviamente acompanhar. De madrugada, a febre dele passava de 39C, então voamos para a emergência pediátrica. Ele tinha acabado o segundo ciclo de antibiótico e parecia melhor durante o dia, mas como depois a febre não parava de subir, no meio da noite nos restavam poucas alternativas.

Eu que já me considero calejada no assunto, fiquei obviamente chateada de estar ali com ele, mas nem de longe imaginei que os médicos fossem dar mais que uma injeção. De repente as enferimeiras me dizem que o médico quer um exame de sangue para se certificar de que a infecção não se espalhou pelo sangue e que vão precisar de um acesso para o exame e para o medicamento. Acesso, como assim? Num bracinho de um bebê gorducho de 11 meses? E assim foi feito -- infelizmente.

Foi horrível, foi traumático, foi de cortar o coração ver o olhar de pânico do nosso filhote durantes aquelas duas horas que mais pareciam uma eternidade. E no dia seguinte, tudo de novo, mas desta vez, as enfermeiras não conseguiram inserir o cateter e decidiram tirar o sangue e depois dar a injeção.

E além do tormento no hospital, Advil e Tylenol a cada três horas e antibiótico duas vezes por dia. Apesar de tudo, Joaquim continuava ativo e esperto, irritadinho às vezes, mas nunca pareceu debilitado. Isto tudo a uma semana da festa de aniversário dele.

os dias seguintes fora difíceis também e acabei ficando um tempo em casa cuidando dele e tentando finalizar uns projetos com prazos apertados no trabalho. (Nestas horas ter um chefe compreensivo e humano conta muito!) Para aumentar ainda mais o stress, tivemos duas festas no fim de semana: a do Blake e a do Joaquim (que foi adiantada em função da agenda apertada do aniversariante!). Eu organizando tudo, trabalhando e com filho doente... Achei que fosse surtar. Chegamos a cogitar cancelar a festa de aniversário do Joaquim, mas resolvemos ver como ele ia reagir durante a semana.

Mas no final deu tudo certo. O jantar de aniversário do Blake foi um barato -- contratamos uma chef e a minha irmã e meu cunhado vieram do Rio para ver a gente e participar das festas. E as crianças -- a começar pelo próprio aniversariante -- amaram a festa do Joaquim, que foi na Gymboree.

Missão cumprida, com sucesso... Mal posso acreditar que na sexta meu pequeno completa um ano. Ao mesmo tempo, estas últimas semanas parecem ter durado um século.

6 comments:

Anonymous said...

Ai, que do, que do, que do

Que ruim ficar com nenem doentinho. Eu ainda nao entendi o motivo da febre, onde era a infeccao?

Dani, ele esta cada vez mais a cara do papai, neh? Lindao esse garoto!

Meu marido foi em um congresso em Baltimore final de semana passado. Falei com ele: Tenho uma amiga que mora lah. Ele: quem? Eu: Ah, vc nao conhece...
Se contasse a ele que minha "amiga" eh da net era capaz dele me internar... rs
Beijos, amiguinha!

Tata

Só uma menina said...

Dani, que coisa... Espero que o Joaquim esteja bem agora. É incrível como as crianças têm uma capacidade enorme de recuperação. Graças a Deus!! Desejo ao Joaquim tudo de melhor nesse mundo, muita luz e que seus guias espirituais o acompanhem e ajudem em todas as decisões difíceis no decorrer de sua existência. Que Deus lhe dê forças e paciência também. Um beijo e parabéns pra vocês!

Dani said...

Tata,
A febre foi resultado da infecção -- uma otite dupla. Os médicos acham que a virose atacou os ouvidinhos dele. Graças a Deus, tudo bem agora. Puxa, seu marido veio aqui qpertinho? da próxima vez, venha com ele e faça uma visita!
Bjs

Dani said...

Paula,
Obrigada pelo carinho... Nossos guias espirituais têm realmente estado de plantão nestes últimos meses. Amém!
Tudo de bom pra você e pro Miguelito também!
Bjs

Debora Rocha Muscutt. said...

Imagino a sua aflição em vê-lo doentinho, Dani! Graças a Deus tá tudo bem e Joaquim tá ficando um mocinho, sempre muito lindo! Amo ver as fotos dele. Beijos e tudo de bom sempre!

Dani said...

Debora,
Pior coisa é ver bebê doente, mas graças a Deus, ele está ótimo.
Beijos e obrigada pelo carinho.